Edição do dia 15/08/2017

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Sub-15 do Cestinha é campeão Sul-Brasileiro de Clubes de 2017
ESPORTES - Projeto do Sesi e da Unisc conquistou título em Caxias do Sul
POE prende foragidos da justiça em Santa Cruz
POLÍCIA - Brigada Militar realizou duas prisões na tarde desta quarta, de pessoas que estavam procuradas
Avenida renova com treinador do Acesso
ESPORTES - Fabiano Daitx vai comandar o Periquito também na Série A
Santa Cruz do Sul recebe a 4ª etapa do Brasileiro de Endurance
ESPORTES - Prova de longa duração acontecerá neste sábado, dia 19 de agosto
Começam nesta quarta-feira as semifinais da Copa do Brasil
ESPORTES - Olhares gaúchos estão voltados para Grêmio x Cruzeiro, na Arena
Detran recicla 395 toneladas de sucata em Osório e Candelária
GERAL - Material de quase 800 veículos será reciclado
Brigada Militar apreende máquinas caça-níqueis
POLÍCIA - Bar em Venâncio Aires disponibilizava três dispositivos de jogos de azar aos seus usuários
Acesso Grasel receberá mais um trecho para acostamento
GERAL - Prefeitura de Santa Cruz realiza a obra na lateral da principal via de acesso à cidade
TCE-RS determina redução na cobrança da tarifa de ônibus intermunicipal
ECONOMIA - Agência reguladora identificou cobrança ilegal de taxa de embarque para quem não pega o ônibus na rodoviária
Centro de Triagem de presos começa a operar em Porto Alegre
POLÍCIA - Estado anunciou prazo para construção de mais duas unidades prisionais

TEMER: Deputados da região têm opiniões divergentes

Enquanto Sérgio Moraes (PTB) diz preferir uma eleição direta através de uma PEC, Heitor Schuch (PSB) espera que Temer renuncie e evite novo processo de impeachment

POLÍTICA - 19/05/2017

Guilherme Athayde
guilherme@riovalejornal.com.br

Os deputados federais que representam Santa Cruz e região na Câmara, Heitor Schuch (PSB), e Sérgio Moraes (PTB), discordam de como a situação do país deve ser resolvida no momento, após o presidente Michel Temer ser alvo de graves denúncias de corrupção.  

Ambos concordam apenas que não é possível a continuidade do atual governo, que assumiu de forma indireta após o impeachment de Dilma Roussef (PT).

Para Moraes, os deputados precisam aprovar uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC), para que eleições diretas fossem disputadas. O ex-prefeito de Santa Cruz acredita que é possível que a proposta seja viável, caso o Congresso demonstre interesse, para que o povo possa escolher os rumos do país a partir de uma nova disputa eleitoral.

Sérgio e Heitor concordam que Temer deve sairSérgio e Heitor concordam que Temer deve sair Crédito: Arquivo/RJ

"É a única saída que existe. Que legitimidade nós (os deputados) temos hoje pra fazer o novo presidente? Teríamos que fazer uma eleição direta. Mudar a Constituição, abrir prazo para os candidatos se apresentarem, fazer um programa de TV de 20 dias e daqui a 60 dias pode já ter o novo presidente eleito". Moraes relata também ser contra um mandato-tampão até as novas eleições em 2018.

"Porque aí o sujeito vai chegar lá eleito e em um ano e cinco meses não vai conseguir fazer nada. Já vai trabalhar pra reeleição dele", argumenta o petebista.

Já o deputado do PSB, Heitor Schuch, revela que seu partido se posicionará nesta sexta-feira, 19, após reunião extraordinária. De acordo com suas impressões, o partido irá se decidir por uma renúncia de Michel Temer, aguardando a eleição indireta de um novo presidente pela Câmara e pelo Senado.

"Para não colocar o país de novo em todo esse processo de impeachment, de luta judicial, de discussão, a economia apanha, o desemprego não diminui". 

Caso o atual presidente deixe o cargo através de renúncia, quem assume o cargo é Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente do Congresso Nacional. O parlamentar também está envolvido nos processos da Operação Lava Jato, alvo de dois inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF) em virtude das delações envolvendo a empreiteira Odebrecht.

Heitor Schuch diz que sua preferência seria que o Supremo Tribunal Federal (STF) tomasse uma decisão sobre o novo presidente da República, da mesma forma que fez nas situações do senador Aécio Neves (PSDB-MG), e do deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), após as denúncias terem vazado ao público na quarta-feira no site do jornal “O Globo”.

Apesar da preferência, Schuch acha a possibilidade remota. "A Constituição é bem clara. Se o presidente renunciar, assume o presidente da Câmara. Mas ele está sendo investigado pela Lava Jato. Se ele tivesse a grandeza política que eu acho que ele não tem, ele diria 'olha, não vou assumir a Presidência, assume a presidente do STF', que é a Carmem Lúcia, mas eu acho que ele não vai fazer isso", prevê o deputado gaúcho.

 


 

Líder do PMDB em Santa Cruz pede punição aos culpados

Luana Ciecelski
luana@riovalejornal.com.br

Vereador do PMDB espera que o momento sirva de aprendizagemVereador do PMDB espera que o momento sirva de aprendizagem Crédito: Julio Mello

Um dos principais nomes do PMDB em Santa Cruz do Sul, o vereador Alex Knak se manifestou sobre todas as informações e denúncias que vêm sendo divulgadas nos últimos dias. Se posicionando não em nome do partido, mas como um cidadão, como ele mesmo fez questão de ressaltar, Knak disse que independentemente de partidos, ele espera punição para a corrupção. “Eu fico na espera para que sejam feitas maiores investigações e espero, sinceramente, que os corruptos sejam condenados. Independente de partido”, exprimiu. 

Ele apontou que essa, aparentemente, é a vontade do próprio Temer. “Em seu pronunciamento hoje de tarde (tarde de quinta, 18) ele pediu agilidade no esclarecimento de todas essas questões”, lembrou. Mas Alex não sabe dizer ao certo o que, de fato, deve acontecer daqui pra frente, se Temer deve completar o mandato ou não. Lembra, no entanto, que quando houve a queda da presidente Dilma Rousseff, ele foi um dos que defendeu novas eleições. “Esse já era o meu posicionamento lá atrás”, comenta ele. 

Alex ainda se disse triste com a situação da política do país, porém, vê um lado positivo nessa situação toda. “Tudo isso deve servir de exemplo para que os brasileiros aprendam a confiar nos políticos que merecem sua confiança. Fica um legado para as próximas eleições. Um legado de que são necessários mais princípios, mais transparência, mais honestidade”, diz.