Edição do dia 17/11/2017

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lanceiros de Santa Cruz dançou no último bloco
GERAL - Havaneira Marcada, Anú e Roseira foram as danças
CTG Lanceiros de Santa Cruz é o terceiro grupo do Bloco 5
VARIEDADES - Grupo traz a história nos trilhos de Santa Cruz
CTG Lanceiros de Santa Cruz é o terceiro grupo do Bloco 5
VARIEDADES - Grupo traz a história nos trilhos de Santa Cruz
Rincão da Alegria se apresenta no Enart 2017
GERAL - Grupo foi o segundo a se apresentar na manhã desse sábado, 18 de novembro
Enart: dia de classificatórias para o domingo
VARIEDADES - Competições iniciam as 9h deste sábado, no Parque da Oktoberfest
CTG Rincão da Alegria é o segundo grupo deste sábado
VARIEDADES - Entidade leva a modernidade para o campo em sua temática
Enart 2017 tem início em Santa Cruz do Sul
GERAL - O maior encontro de arte amadora da América Latina segue até o domingo no Parque da Oktoberfest
Policiais seguem buscas aos foragidos do Presídio Regional
POLÍCIA
Rombo na previdência é real, diz especialista
POLÍTICA - Situação poderia comprometer investimento em outras áreas importantes
Mais de 1,5 milhão de pessoas farão o Encceja
EDUCAÇÃO - Exame será aplicado neste domingo em todo o país
Portal da campanha antibullying da prefeitura é lançado
GERAL - O objetivo do portal é servir como uma fonte de informações sobre o Bullying e também como espaço para denúncia
No Brasil, falta trabalho adequado para 26,8 milhões de pessoas
GERAL - Informação foi divulgada nesta sexta-feira pelo IBGE
TSE pede que governo mude início do horário de verão de 2018
GERAL - Motivo é a realização das eleições do próximo ano. Ideia é que o horário de verão comece após o segundo turno da votação
I Mostra de Empreendedorismo Feminino acontece neste domingo
GERAL
Lifasc: Julgamento do recurso do Linha Nova ocorre no dia 21
ESPORTES - Reunião do Conselho de Clubes ocorre na sede do Linha Santa Cruz, a partir das 20h
Assembleia vai eleger novo presidente e vice da ACI
GERAL
Pretos ou pardos são 63,7% dos desocupados no país
GERAL - São 8,3 milhões de pessoas pretas ou pardas desocupadas
Mapa da Cidade promove mutirão no bairro Santo Inácio
GERAL - Moradores poderão obter maiores informações sobre o levantamento

Spengler Advocatto

A dita igualdade entre cônjuges e companheiros para fins sucessórios: o que, de fato, se quer?

ESPECIAIS - 11/08/2017

Entenda a decisão:

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu em maio do presente ano pela inconstitucionalidade do artigo 1.790 do Código Civil, o qual sustenta diferenciação entre cônjuge e companheiro, para fins de sucessão hereditária.

O Ministro Barroso, do STF, firmou a seguinte tese acerca do tema: “no sistema constitucional vigente, é inconstitucional a distinção de regimes sucessórios entre cônjuges e companheiros”, devendo ser aplicado em ambos os casos a igualdade.

Equipe Spengler AadvocatioEquipe Spengler Aadvocatio Crédito: Divulgação

Aplicação prática:

O que se depreende, portanto, da referida decisão, é que o STF findou com a liberdade de não contrair casamento, ao igualá-lo à união estável.

É sabido que o casamento e a união estável são duas formas, distintas, de constituição de família, não havendo, em tese, hierarquia entre elas, isto porque ambas são equiparadas no que tange às consequências jurídicas, mas são diferentes nos direitos dela decorrentes.

Neste prisma, vale referir que a principal diferença está justamente no quesito herança. Quando o casamento é dissolvido pelo óbito, o cônjuge, necessariamente, receberá herança do morto, ou seja, ele está no rol dos herdeiros necessários. Na união estável, o companheiro sobrevivo não necessariamente é herdeiro, já que é possível testar e destinar os bens a outras pessoas.

Portanto, o que se percebe, também, da recente decisão é uma interferência ainda maior do Estado nas questões propriamente privadas, ao passo que pode ser sim, que, de fato, a pessoa queira tão somente viver em união estável (ou união livre, como também é/era conhecida), a qual, quanto mais regulamentada, para aproximá-la do casamento, mais vai se distanciando de sua ideia central.

Conclui-se, assim, que a partir desta decisão da Suprema Corte, quando duas pessoas passam a viver juntas, em que pese possam não saber, terão, sim, que se submeter às idênticas regras do casamento, exceto em relação às formalidades de sua constituição, o que na prática certamente resultará em bastante casos polêmicos.

Bruna Rost Gonzalez Camanho,
OAB/RS nº 105.608,
Advogada Spengler Advocatio