Edição do dia 20/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Feriado em Santa Cruz do Sul
GERAL - Saiba como funcionarão os principais serviços nesta sexta-feira, 20
Livro Dois meninos será lançado em Santa Cruz
VARIEDADES
JTI promove a língua inglesa entre colaboradores
GERAL
Equipes da Afubra realizam avaliações nas lavouras atingidas
GERAL
100 anos Sicredi VRP: Solenidade marca os 100 anos
ESPECIAIS
100 anos Sicredi VRP: Programação intensa durante todo o ano
ESPECIAIS
Dia do Contador: A saúde financeira do seu negócio depende dele
ESPECIAIS - Conheça um pouco mais sobre a profissão do contador e sua data comemorativa
Mensagem pelo Dia do Contador
ESPECIAIS - Rugard Kanitz - presidente do Sincotec VARP
Dia do Contador: Conheça os vencedores da 6ª edição do Concurso de Redação Tributação e Cidadania
ESPECIAIS
Preservação da cultura alemã no traje oficial
VARIEDADES
As donas das flores
GERAL - O trabalho delas é cultivar a natureza que enfeita a cidade
Shopping Santa Cruz recebe convidadas para bate-papo
GERAL - Quatro mulheres estarão à frente do evento de troca de experiências
Irmãos de Axé visitam Terreiro de Candomblé na Bahia
GERAL
Galo tem jogos importantes no final de semana
ESPORTES
Copa CFC Celso abre decisão em Linha Santa Cruz
ESPORTES
Assaf encara a Assoeva no Ginásio da Unisc neste sábado
ESPORTES
SCS Skate Contest: um incentivo ao esporte
ESPORTES
Gelson Conte substitui China Balbino no Avenida
ESPORTES

A Páscoa na abordagem cristã

Jesus Cristo: como podemos interpretá-lo? Afinal, qual o significado da obra d'Ele?

RELIGIÃO - 29/03/2018

A ressurreição de Cristo, retratada em obra do século 16, feita na BélgicaA ressurreição de Cristo, retratada em obra do século 16, feita na Bélgica Crédito: Reprodução/Internet

Nelson Treglia
nelson@riovalejornal.com.br

A celebração da Páscoa, que ocorrerá no próximo domingo, gira em torno do personagem de Jesus, na tradição cristã. Antes disso, será lembrada a Sexta-Feira Santa, quando Jesus acabou por falecer na cruz. Na Páscoa, Ele ressuscitou e deu um novo sentido para a celebração, sendo um dos principais marcos iniciais do Cristianismo. Existe toda uma simbologia em torno desses acontecimentos, que levam a uma compreensão dos aspectos Divinos, especialmente em relação à passagem de Jesus no planeta Terra. Qual era exatamente o papel de Cristo em Suas ações terrenas?

Gaúcho nascido no município de Cerro Largo, o Cardeal Odilo Pedro Scherer é Arcebispo metropolitano de São Paulo. Ele foi um dos principais postulantes ao cargo de Papa quando Jorge Bergoglio, agora chamado de Francisco, foi eleito para liderar a Igreja Católica mundialmente. Embora Scherer não tenha vencido o conclave que escolheu Bergoglio como o chefe de Estado do Vaticano, vale a pena conferir o que ele escreveu no artigo “Em memória de Jesus Cristo”, publicado em 2017 no jornal católico “O São Paulo”. Segundo Scherer, a ressurreição de Jesus significa que, “após ter passado pelos sofrimentos da Paixão, Ele agora está na glória de Deus. E proclamavam: Ele é o Filho de Deus Salvador, enviado por Deus para salvar os homens! Quem crer nele e aceitar a Boa Nova tem a salvação e a remissão dos seus pecados por meio dele”.

A Paixão está ligada ao sofrimento físico, espiritual e psicológico que Jesus viveu no período entre sua condenação e sua execução na cruz. Por isso, a Sexta-Feira Santa também é conhecida como Sexta-Feira da Paixão. Quem tiver curiosidade e quiser adquirir uma noção melhor a respeito do impactante sofrimento de Jesus, pode assistir ao filme de 2004, “A Paixão de Cristo”, dirigido por Mel Gibson, famoso por seus papéis em “Máquina Mortífera” e “Mad Max”. Jim Caviezel (no papel de Jesus Cristo), Maia Morgenstern (Maria), Monica Bellucci (Maria Madalena) e Hristo Jivkov (João) são os principais nomes do grande elenco, que seguiu a tradição dos épicos filmes bíblicos, sempre com atores de renome.   

Exemplo semelhante pode ser encontrado no filme “Jesus de Nazaré” (1977), do diretor Franco Zeffirelli e exibido com frequência pela TV Record. Entre os famosos atores da superprodução, estavam Ernest Borgnine e Claudia Cardinale, com Robert Powell no papel principal. Neste filme, todo o aspecto moral e filosófico de Jesus pode ser vislumbrado, e num dos momentos marcantes da narrativa, Cristo, em ato de compaixão, diz para uma mulher, acusada de adultério: “Vai e não peques mais”. A mulher sofreria um apedrejamento, Jesus a salvou da agressão, dizendo que Ele não a condenava. Mas, posteriormente, Cristo proferiu essa famosa frase citada acima, mostrando que ela não deveria mais pecar. A mulher acusada foi interpretada por Claudia Cardinale, conhecida atriz italiana.

“Jesus Cristo, Filho de Deus, viveu como homem bem conhecido no meio dos homens; Ele é o justo e santo, enviado por Deus ao mundo; inocente, ele foi condenado e posto à morte por mãos iníquas, entregou sua vida na cruz por nossos pecados, perdoou aos que o condenaram e mataram; foi ressuscitado por Deus, mostrando-se vivo aos apóstolos e a muitos outros”, explica o Cardeal Odilo Pedro Scherer em seu artigo.

Sob a perspectiva cristã/católica, Scherer assinala o sentido da Páscoa: a renovação da vida. “E retomamos com renovada disposição a nossa adesão de fé a Deus e a Jesus Cristo Salvador, prometendo: renuncio ao pecado e a tudo o que é obra do maligno; quero viver vida nova, coerente com a graça da redenção recebida no Batismo. Creio, creio!”

“Poder de Deus”

Em artigo publicado também em 2017, o Pastor Nestor Friedrich, gaúcho e presidente da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB), abordou sobre várias questões relacionadas ao período pascal. “Na Sexta-Feira Santa, rememoramos a crucificação de Jesus. Diz a Bíblia que lideranças políticas e religiosas da época persuadiram o povo a gritar: Crucifica-o! Crucifica-o! Uma entrada triunfal é seguida da morte cruel – na cruz”, escreveu o Pastor Friedrich.

Para explicar o significado da morte e ressurreição de Jesus, Friedrich questiona por que isso é visto como loucura e poder de Deus. Ele mesmo responde: “Sabemos que Cristo foi ressuscitado e nunca mais morrerá, pois a morte não tem mais poder sobre ele (Romanos 6.9). O Cristo crucificado ressuscitou e vive. A morte perdeu o seu poder. A morte revelou o poder de Deus. A Páscoa nos convida a não nos dobrarmos diante da morte!”, evidencia o Pastor.