Edição do dia 19/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Domingo tem Brique da Praça
GERAL
Unisc forma 16ª turma de Medicina
GERAL
Stock: Nelsinho Piquet corre pela primeira vez em Santa Cruz do Sul
ESPORTES - Piloto da equipe Texaco Full Time Sports terá experiência inédita neste fim de semana na pista gaúcha
Edição de inverno do curso Escola de formação de professores tem início na Unisc
EDUCAÇÃO
Audiência pública debate alterações no Plano Diretor
GERAL
Quatro cidades gaúchas
VARIEDADES - Quarta temporada de 'O professor pelado' tem reestreia repaginada
Domingo tem etapa da 5ª Olimpíada Rural
GERAL - Esse será o primeiro compromisso oficial das 14 candidatas a soberanas da 35ª Oktoberfest
Copa Seu Verardi
ESPORTES - Uma semana de treinos no Avenida
Rodada desta sexta vai apontar os semifinalistas
ESPORTES
Em jogo duas vagas no mata-mata da Copa CFC Celso
ESPORTES
Assaf joga nesta sexta-feira em Santa Maria
ESPORTES - Jogo foi alterado em virtude do Grenal neste sábado
Stock Car: Quinta etapa é neste final de semana
ESPORTES - Serão dois dias de atividades sem a companhia da Stock Light
Renomada professora do Serviço Social estará em Santa Cruz
GERAL
Novo Cabrais: Escola lança livro de receitas saudáveis
EDUCAÇÃO
Novo Cabrais: Pimenta visita obras e reafirma apoio ao município
GERAL - Deputado federal participou de almoço e conferiu de perto a pavimentação da Avenida Rodolfo Buss
Ascor e Prefeitura planejam nova exposição
GERAL
Colégio Mauá assume gestão da Escola Criança & Cia
EDUCAÇÃO
Prefeitura anuncia restauração do prédio
GERAL - Marcando a decisão, muda de árvore também foi plantada por alunos da rede de ensino municipal

A ruptura fundamentalista

OPINIÃO - 06/11/2018

"No pequeno planeta Terra, perdido como uma partícula de areia na vastidão do oceano sideral, surgiu o fenômeno mais complexo e maravilhoso: a vida. Esta tomou as formas mais diversas e inimagináveis, dentre as quais, a mais surpreendente é a espécie humana. Alguns são dotados de elevados níveis de generosidade e heroísmo, na medida que dão suas vidas para a melhoria e bem estar de seus semelhantes. No outro extremo há outros com instintos de crueldade e maldade." - Esteban Volkov.
Após a 1ª guerra mundial surgiu um fenômeno surpreendente na Europa, especialmente na Alemanha e na Itália: o nazismo. A ideia básica dessa ideologia extremista é a de que os seres humanos são desiguais. Hitler afirmava que a maioria de inaptos deveria ser governada por poucos aptos. O racismo  via na maioria raças inferiores aos brancos arianos. A crise dos anos trinta do século passado proporcionou a ascensão do nazismo, a ideologização da política externa e a consolidação do fundamentalismo nazista da raça pura ariana.
O regime na Alemanha condicionou a imensa maioria da população a idolatrar seu líder e a acreditar no nazismo. Então surgiu nas hostes oficiais uma máquina de extermínio, sendo o alvo principal os judeus. Poloneses e opositores ao regime também sofreram a sanha genocida. Tal foi o fundamentalismo, que o povo aceitava os assassinatos a sangue frio praticados por agentes que abandonaram os valores humanos mais caros pela nova ordem. Exterminavam como se extermina ratos. Não havia remorso, pudor ou sentimento de culpa. Depois de um assassinato, o agente convivia com sua família come se tivesse apenas usado um inseticida.
O ódio ancestral combinava fundamentalismo, totalitarismo e genocídio, tal qual os romanos na prática antissemita do Império. 
A crise gerada pelo golpe no Brasil fez ascender o neonazismo. Empenhada em demonizar Lula e o PT, a grande mídia brasileira aplaudiu as ações "políticas" da Lava-Jato e não percebeu que não eram os liberais que ganhavam terreno, mas o extremismo neonazista, com ações subterrâneas comandadas do exterior. Só o grupo bolsonarista não seria capaz de levar um candidato sem estatura pessoal e politica ao topo sem essa ajuda externa. E seus defensores adaptam-se ao fundamentalismo, incorporando o ódio, a violência, o preconceito e o racismo, atuando na sociedade como robôs, desejando o extermínio dos "petralhas".
Os governos petistas não romperam com a lógica do sistema. O modelo econômico seguiu o mesmo dos governos anteriores, apenas acrescentou tintas sociais-democratas, tal qual a Europa depois da guerra: distribuiu renda, mudou a bipolarização mundial na economia com a criação dos BRICS e saiu da dependência norte-americana para ganhar status de potência econômica. Conciliaram os interesses nacionais com as economias pobres e emergentes.
Já, o novo governo eleito acena com o ódio social, com uma ruptura com o  modelo vigente para um modelo neonazista, fundamentalista, racista e de extrema violência com os opositores, com ameaças candentes de extermínio dos "petralhas". E uma grande parte da população, cegada pela propaganda dos últimos anos, que inverteu a lógica da justiça para superar o ciclo virtuoso petista, adere ao extremismo, perdendo a capacidade de percepção, agindo como uma massa de robôs, cegada pela onda nazista que está levando o Brasil a um ciclo desastroso, tanto do ponto de vista moral, como econômico. 

Luiz Augusto Rodrigues -  luizaugustorp@hotmail.com  - Advogado