Edição do dia 15/01/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Bolsonaro assina decreto que flexibiliza a posse de armas
GERAL - Com decreto, pessoas acima de 25 anos podem ter até 4 armas de fogo
Multas podem ter prazo prorrogado
GERAL - Conforme Fiscalização de Trânsito do município ainda não há regulamentação para abordagem
Ajude as famílias afetadas com a chuva
GERAL
No dia 25 de janeiro mais 146 vagas remanescentes serão disponibilizadas
EDUCAÇÃO - O edital com a faixa etária e a escola será divulgado pela Secretaria Municipal de Educação
Secretário Faisal Karam reúne-se com Federação das Apaes
EDUCAÇÃO
Gilberto Petry é o novo presidente do Conselho Deliberativo
GERAL
Frente fria volta a intensificar chuvas no estado nos próximos dias
GERAL
Censo 2018 da Educação Básica
EDUCAÇÃO - Inep divulga dados da rede estadual de ensino
Novos agentes reforçam os quadros da Susepe em abril
POLÍCIA - Antes eles fazem curso sobre as normas de política penitenciária do Estado
Primeira edição do Sisu 2019 deve abrir mais de 235 mil vagas
EDUCAÇÃO
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
ECONOMIA
Hemovida está com estoque acima da média
SAÚDE - Desde setembro do ano passado, o número de captação sanguínea tem sido maior do que o de transfusões
Nova praça de lazer será construída no centro
GERAL - Local escolhido foi o coração da cidade, ao lado da futura Biblioteca Municipal
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV
ECONOMIA
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
ECONOMIA
Receita abre consulta a restituição
GERAL - Serão contempladas as restituições residuais referentes aos exercícios de 2008 a 2018
Atividade do Varejo fecha 2018 com crescimento de 2,8%
ECONOMIA
STF vai julgar casos polêmicos a partir do próximo mês
GERAL

Bombeiros dão dicas de como prevenir e evitar afogamentos

As piscinas são responsáveis por 53% de todos os óbitos por afogamento na faixa de 1 a 9 anos de idade

GERAL - 29/12/2018

Os cuidados devem ser redobradosOs cuidados devem ser redobrados Crédito: Pixabay

Rosibel Fagundes
rosibel@riovalejornal.com.br

Os acidentes envolvendo crianças vítimas de afogamento tem ganhado destaque nos noticiários e nas redes sociais. Eles servem também de alerta para evitar que futuras tragédias aconteçam. De acordo com a Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa),  as piscinas são responsáveis por 53% de todos os óbitos por afogamento na faixa de 1 a 9 anos de idade.  Sendo que o afogamento é a segunda causa da morte acidental de crianças, perdendo apenas para acidentes de trânsito. 
O comandante do 1º Batalhão de Bombeiros de Santa Cruz, tenente Fernandes, explica que os pais devem ser bons observadores para preverem acidentes. “Uma criança jamais deverá permanecer na água sozinha. O afogamento acontece em segundos, e os cuidados devem ser redobrados”. Segundo ele, um dos problemas registrados com maior frequência é o fato de que alguns pais ou responsáveis ficam ao telefone celular, ao invés de manter a vigília nos pequenos que estão na água. “O celular tira a noção de tempo.  E mesmo e que a criança esteja utilizando uma boia, o equipamento pode apresentar problemas”.  O recomendado pelos bombeiros é que a criança esteja a um braço de distância de um adulto na água. Em caso de afogamento, o comandante  afirma que o primeiro atendimento deve ser feito pelo Serviço de Atendimento Móvel (Samu), que atua com Unidades de Suporte Básico (USB) com enfermeiro e unidades de Suporte Avançado (USA) que dispõem de um médico. O telefone de contato é o 192. Em municípios onde não há o serviço, o Corpo de Bombeiros deve ser acionado pelo 193. O perigo, no entanto, não está somente nas piscinas residenciais, mas também em piscinas de condomínios,  clubes e em rios. O oficial deixa algumas dicas importantes para evitar acidentes com crianças.

Nas piscinas

- Nunca deixe uma criança sozinha na água, mesmo que ela esteja utilizando equipamentos aquáticos como boias e coletes. O recomendado é que a criança esteja a um braço de distância de um adulto;
- Os pais devem ensinar os filhos a respeitarem a água.  Quanto mais cedo aprenderem a nadar, boiar e flutuar maiores serão suas chances de defesa; 
- Oriente as crianças para não pular de cabeça na piscina;
- Mantenha sempre fechada a área da piscina com grades e portão, impedindo que a criança tenha acesso fácil ao local quando estiver sozinha;
- Cuidado com a sucção.  Alguns ralos podem sugar cabelos, roupas e até mesmo os dedos da criança;

Rios e piscinas particulares

O comandante  afirma que todo o estabelecimento que oferecer área de lazer com piscina, será responsável civil e criminalmente caso aconteça algum afogamento. Portanto, é responsabilidade do proprietário ter a disposição dos associados e veranistas um salva vidas com treinamento qualificado e equipamentos de boia e coletes. O mesmo é válido para clubes ou áreas de camping próximos a margens de rios. Ainda segundo ele, em períodos de chuva o aconselhável é evitar o banho de rio devido as alterações que acontecem no leito. “Muitas pessoas acreditam que conhecem o local, mas muda muito.  Os galhos que estão presos no fundo podem se movimentar devido ao volume da água e ocasionar buracos, e consequentemente  o risco de afogamento aumenta”, afirmou o tenente Fernandes.  Ele também orienta as pessoas que vão acampar em áreas próximas de rios, a sempre levar seus equipamentos de segurança. Uma vez que o local pode não ter e outra devido a distância até chegar o socorro.

Fatalidade: Casos de afogamentos envolvendo crianças em piscinas

No inicio do mês, em Lajeado no Vale do Taquari, uma criança de apenas três anos e sete meses faleceu após cair na piscina na casa onde morava com os pais no bairro Montanha.  A família chegou a levar o menino até o quartel do Corpo de Bombeiros, onde foram feitos procedimentos de reanimação na tentativa de salvar a criança. O Samu também foi acionado e fez a condução da criança até o Hospital Bruno Born. No entanto,  o menino não resistiu.  Outro caso que chamou a atenção foi a morte de dois irmãos gêmeos  moradores da cidade de Três Lagoas, no Mato Grosso do Sul. O caso aconteceu em setembro, mas repercute até hoje nas redes sociais como forma de alerta. Os meninos, de 1 ano e 2 meses, morreram após caírem na piscina da casa onde viviam com os pais. Conforme informações, o acidente aconteceu após as crianças atravessarem uma passagem na grade de proteção da piscina, que estaria aberta.