Edição do dia 16/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Prefeitura decreta ponto facultativo dia 26
GERAL
Isnar Amaral estará no Espaço de Vie
GERAL
De olho no futuro do comércio
ECONOMIA
Comerciantes veem futuro positivo
ECONOMIA - Reformas propostas pelo governo Bolsonaro lançam esperança na economia local
Liquidações prometem aquecer as vendas
ECONOMIA
Restaurante da Gruta dos Índios: Novas instalações inauguram nesta quinta-feira
GERAL - Com espaço ampliado, estabelecimento vai preservar a cultura alemã oferecendo alimentos, bebidas típicas e artigos em um só local e fora de época
Cisvale poderá facilitar a abertura de novas agroindústrias
ECONOMIA - Entraves burocráticos que têm tornado demorada a liberação de alvarás poderão acabar
Evento de moda e beleza prepara noite de gala
VARIEDADES
HSC sedia curso do Coren sobre código de ética
SAÚDE
Vamos ajudar a Duda!
VARIEDADES
Colégio Dom Alberto: há 17 anos proporcionando ensino de qualidade
EDUCAÇÃO
Gesc embarcou no último domingo para os EUA
GERAL - Participantes saíram rumo ao Jamboree Mundial que reunirá aproximadamente 45 mil pessoas
Premiados no município serão conhecidos na próxima quinta-feira
EMPRESARIAL
Assembleia vai eleger o novo presidente
GERAL - Concessão da RSC-287 estará em pauta durante a reunião
Bom companheirismo - Permanente Bandeira
OPINIÃO
Aposentadoria Especial e continuidade na função insalubre
OPINIÃO
Sobre a Reforma da Previdência
OPINIÃO
Etapa de Santa Cruz: Piloto argentino retorna à Stock Car
ESPORTES

Bolsonaro confirma revogação da adesão ao Pacto Global para Migração

POLÍTICA - 09/01/2019

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro Crédito: Alan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro confirmou a revogação da adesão do Brasil ao Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular. Na sua conta no Twitter, ele afirmou hoje (9) que a iniciativa foi motivada para preservação dos valores nacionais. “O Brasil é soberano para decidir se aceita ou não migrantes”, disse o presidente. “Não ao pacto migratório.”

Em seguida, Bolsonaro justificou a decisão. “Quem porventura vier para cá deverá estar sujeito às nossas leis, regras e costumes, bem como deverá cantar nosso hino e respeitar nossa cultura. Não é qualquer um que entra em nossa casa, nem será qualquer um que entrará no Brasil via pacto adotado por terceiros."

A decisão foi comunicada ao Ministério das Relações Exteriores, que orientou o corpo diplomático a transmiti-la à Organização das Nações Unidas (ONU). O Brasil aderiu ao pacto em dezembro de 2018.

Histórico

Anteriormente, Bolsonaro e o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, criticaram os termos do pacto. No último dia 2, em Brasília, durante reunião com o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, Bolsonaro afirmou que tinha a intenção de retirar o Brasil do acordo.

Segundo o presidente, o país vai adotar critérios rigorosos para a entrada de imigrantes. Após as eleições, ele afirmou que quem “não passasse pelo crivo” não entraria no país.

Para o chanceler, o pacto é “um instrumento inadequado para lidar com o problema. "A imigração não deve ser tratada como questão global, mas sim de acordo com a realidade e a soberania de cada país”.

Acordo

Fechado em 2017 e chancelado no ano passado, o pacto estabeleceu orientações específicas para o recebimento de imigrantes, preservando o respeito aos direitos humanos sem associar nacionalidades. Dos representantes dos 193 países, 181 aderiram ao acordo. Estados Unidos e Hungria estão entre os que foram contrários. República Dominicana, Eritreia e Líbia se abstiveram.

No final de 2017, existiam quase 25,4 milhões de refugiados em todo o mundo. Atualmente, apenas dez países acolhem 60% das pessoas nessa situação. Só a Turquia abriga 3,5 milhões de refugiados, mais do que qualquer outro país.

O pacto global sobre refugiados aponta quatro objetivos principais: aliviar a pressão sobre os países anfitriões, aumentar a autossuficiência dos refugiados, ampliar o acesso a soluções de países terceiros e ajudar a criar condições nos países de origem, para um regresso dos cidadãos em segurança e dignidade.

Presidente diz que Brasil jamais se recusará a ajudar imigrantes

Crédito: Reprodução/RJ

Após confirmar a revogação da adesão do Brasil ao Pacto Global para Migração Segura, Ordenada e Regular, o presidente Jair Bolsonaro disse que o país não fechará as portas para “os que precisam”. Em duas postagens na sua conta no Twitter, ele afirmou que o processo de imigração precisa ser submetido a critérios e regramento.

“Jamais recusaremos ajuda aos que precisam, mas a imigração não pode ser indiscriminada. É necessário [ter] critérios, buscando a melhor solução de acordo com a realidade de cada país. Se controlamos quem deixamos entrar em nossas casas, por que faríamos diferente com o nosso Brasil?”, disse.

Na rede social, o presidente ainda reiterou o discurso de campanha quando defendeu por mais de uma vez a soberania do país. Segundo Bolsonaro, assegurar a autoridade e liberdade de decisão do Brasil, sem pressões externas, garantirá mais segurança a todos.

“A defesa da soberania nacional foi uma das bandeiras de nossa campanha e será uma prioridade do nosso governo. Os brasileiros e os imigrantes que aqui vivem estarão mais seguros com as regras que definiremos por conta própria, sem pressão do exterior”.

Acordado em 2017 e chancelado no ano passado, o pacto estabeleceu orientações específicas para o recebimento de imigrantes, preservando o respeito aos direitos humanos sem associar nacionalidades. Dos representantes dos 193 países, 181 aderiram ao acordo. Estados Unidos e Hungria estão entre os que foram contrários. República Dominicana, Eritreia e Líbia se abstiveram.