Edição do dia 20/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Feriado em Santa Cruz do Sul
GERAL - Saiba como funcionarão os principais serviços nesta sexta-feira, 20
Livro Dois meninos será lançado em Santa Cruz
VARIEDADES
JTI promove a língua inglesa entre colaboradores
GERAL
Equipes da Afubra realizam avaliações nas lavouras atingidas
GERAL
100 anos Sicredi VRP: Solenidade marca os 100 anos
ESPECIAIS
100 anos Sicredi VRP: Programação intensa durante todo o ano
ESPECIAIS
Dia do Contador: A saúde financeira do seu negócio depende dele
ESPECIAIS - Conheça um pouco mais sobre a profissão do contador e sua data comemorativa
Mensagem pelo Dia do Contador
ESPECIAIS - Rugard Kanitz - presidente do Sincotec VARP
Dia do Contador: Conheça os vencedores da 6ª edição do Concurso de Redação Tributação e Cidadania
ESPECIAIS
Preservação da cultura alemã no traje oficial
VARIEDADES
As donas das flores
GERAL - O trabalho delas é cultivar a natureza que enfeita a cidade
Shopping Santa Cruz recebe convidadas para bate-papo
GERAL - Quatro mulheres estarão à frente do evento de troca de experiências
Irmãos de Axé visitam Terreiro de Candomblé na Bahia
GERAL
Galo tem jogos importantes no final de semana
ESPORTES
Copa CFC Celso abre decisão em Linha Santa Cruz
ESPORTES
Assaf encara a Assoeva no Ginásio da Unisc neste sábado
ESPORTES
SCS Skate Contest: um incentivo ao esporte
ESPORTES
Gelson Conte substitui China Balbino no Avenida
ESPORTES

Reforma da Previdência ou Reforma da Economia?

OPINIÃO - 19/02/2019

Estendendo-se desde o ano de 2016, a almejada Reforma da Previdência ganhou fôlego com a posse do novo Presidente do País, Jair Bolsonaro. As expectativas do Governo e população pela definição dos futuros moldes do regime previdenciário vêm trazendo inúmeras discussões e dúvidas.
Na última semana, o País se voltou para a minuta do texto da Reforma que “vazou” na mídia, o que causou certo desconforto ao Governo, uma vez que não teria sido, ainda, submetida ao crivo do Presidente da República.
Dentre as principais alterações, a minuta prevê idade mínima para a aposentadoria - idêntica para ambos os sexos -, alterações em benefícios assistenciais e pensão por morte, bem como instituição de contribuição aos produtores rurais e criação do regime de capitalização previdenciário com a possibilidade de utilização dos recursos do FGTS.
O mercado financeiro reagiu positivamente à suposta Reforma e a bolsa de valores bateu recorde de pontos. No cenário político, a figura do Ministro da Economia, Paulo Guedes, conjuntamente com o Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, aparecem fortemente à frente das discussões acerca do assunto.
Muito embora o texto preliminar venha a sofrer alterações, dentre elas, a diferenciação de idade entre os sexos – posição a ser adotada pelo Presidente Jair Bolsonaro -, nota-se um forte empenho do Governo e, sobretudo, da pauta econômica, para a votação e aprovação da Reforma.
Ao que se verifica, o anseio pela aprovação das alterações pretende ser a alternativa para a redução dos gastos públicos e para a redução do tão comentado “déficit da Previdência Social”, ganhando contornos de uma reforma voltada à economia e, não, à proteção social do trabalhador.
Com a instituição do regime de capitalização – muito defendido pelo novo Governo -, a participação pública no regime tende a ser reduzida, com o financiamento das futuras aposentadorias pelo próprio trabalhador.
Nesse cenário, a tendência para este ano é um forte esforço das bases econômicas para a aprovação da Reforma, que tem seu texto ainda indefinido, ante as incongruências entre os ideais econômicos e políticos envolvidos, o que resultará, ao que tudo indica, em alterações no texto base.
O trabalhador deve ficar atento às discussões sobre a Reforma e buscar conhecimento acerca do que será apresentado. O molde da capitalização da Previdência pode parecer, do ponto de vista econômico, a resolução para os problemas da Previdência. No entanto, não se pode olvidar que vivemos em um País com desigualdades sociais e economia informal, diferentemente dos países desenvolvidos que adotaram o sistema e tiveram avanços positivos.
Tendo em vista as peculiaridades do nosso País, espera-se que a Reforma da Previdência aconteça, desde que considere, de forma primordial, o ponto de vista social e, não apenas, seja aprovada às custas de interesses econômicos.

*Maria Cristina Becker de Carvalho - advogada, especialista em Direito Previdenciário que integra a equipe do BVK Advogados Associados