Edição do dia 20/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Feriado em Santa Cruz do Sul
GERAL - Saiba como funcionarão os principais serviços nesta sexta-feira, 20
Livro Dois meninos será lançado em Santa Cruz
VARIEDADES
JTI promove a língua inglesa entre colaboradores
GERAL
Equipes da Afubra realizam avaliações nas lavouras atingidas
GERAL
100 anos Sicredi VRP: Solenidade marca os 100 anos
ESPECIAIS
100 anos Sicredi VRP: Programação intensa durante todo o ano
ESPECIAIS
Dia do Contador: A saúde financeira do seu negócio depende dele
ESPECIAIS - Conheça um pouco mais sobre a profissão do contador e sua data comemorativa
Mensagem pelo Dia do Contador
ESPECIAIS - Rugard Kanitz - presidente do Sincotec VARP
Dia do Contador: Conheça os vencedores da 6ª edição do Concurso de Redação Tributação e Cidadania
ESPECIAIS
Preservação da cultura alemã no traje oficial
VARIEDADES
As donas das flores
GERAL - O trabalho delas é cultivar a natureza que enfeita a cidade
Shopping Santa Cruz recebe convidadas para bate-papo
GERAL - Quatro mulheres estarão à frente do evento de troca de experiências
Irmãos de Axé visitam Terreiro de Candomblé na Bahia
GERAL
Galo tem jogos importantes no final de semana
ESPORTES
Copa CFC Celso abre decisão em Linha Santa Cruz
ESPORTES
Assaf encara a Assoeva no Ginásio da Unisc neste sábado
ESPORTES
SCS Skate Contest: um incentivo ao esporte
ESPORTES
Gelson Conte substitui China Balbino no Avenida
ESPORTES

Ganhadoras da 3ª Olimpíada de Redação da União dos Estudantes Santa-Cruzenses (Uesc)

OPINIÃO - 30/04/2019

Da tua costela eu vim, do meu útero virá

 A mulher que te gerou, a mulher que te criou, a mulher que te vigiou todas as noites com o olhar atento. Quem chorou algumas noites por você, agoniada com tua saída, esperando tua chegada. A mulher que te ama, quantas cópias dela existem?! Quantas mulheres já conheceste? Da embriaguez ao ódio, não há desculpa, não existe explicação para a morte de uma mulher a cada duas horas.
 Alguns especialistas argumentam que o fato de vermos poucas mulheres em cargos de liderança, reforça essa imagem aos olhos de alguns homens, de que, a mulher não é capaz de assumir cargos importantes ou exercer atividades relevantes na sociedade. 
 Quando uma criança, mais especificamente um menino, convive em um ambiente onde a mãe é submissa ao pai ou companheiro, logo existe grandes possibilidades do garoto crescer achando que todas as mulheres devem servir a ele. O fato de conscientizar, educar, demonstrar, desde a infância, que homens e mulheres têm os mesmos direitos e deveres, diminuiria consideravelmente muitos casos de feminicídio.
 O feminicídio não tem como única etapa a morte. Começa com xingamentos, depois um tapa, logo proíbe de sair, usar determinadas roupas...
A mulher precisa denunciar, para que não ocorra a última etapa: a morte. Embora muitas vezes mesmo que a mulher tenha acionado à medida protetiva, o homem continua perseguindo-a de varias formas. 
 O feminicídio é um crime considerado de gênero, é movido pelo machismo, ou pelo sentimento de pose na relação marido/mulher. Devemos nos unir, homens e mulheres. Pessoas têm diferenças, mas direitos iguais. Eva nasce da costela de Adão, para que o mesmo à aconchegasse embaixo de seus braços e a protegesse, e não para criar sentimento de posse sob a mesma. Dizer não a violência contra a mulher, e dizer sim à vida! Você foi gerado por uma mulher! Lembre-se sempre disso!

*Luana Nunes Pereira, estudante da Escola Estadual Ensino Médio Santa Cruz.

Cyberbullying, um ato reversível

 “Jovem comete suicídio após sofrer bullying”, “jovem é ameaçado de morte nas redes sociais”, “tenho medo de ir à escola, disse um adolescente”, “menino é agredido na escola por usar óculos”, “menina tenta cometer suicídio após ser exposta e insultada nas redes sociais”. Isso são apenas exemplos de jornais que são lançados todos os dias no mundo inteiro. Agora pergunta, por que em pleno século XXI acabamos tornando o bullying e o cyberbullying tão normal de se acontecer? Por que deixamos isso acontecer com a vida alheia?
 As pessoas que não estão vendo o bullying ser feito seja ao vivo ou nas redes sociais estão parcialmente cegos, pois sempre acham que é “só uma brincadeira”. Bullying não é brincadeira. Bullying leva pessoas a morte. As pessoas ao redor apenas enxergam quando alguma tragédia acontece, percebem que isso vá longe de mais. Em certas exceções quando as pessoas sabem que o bullying está sendo feito, se divertem com a situação.
 Nas redes sociais cyberbullying tem o mesmo efeito que ele sendo feito na frente de seus olhos. Você fica olhando para uma tela e fica desnorteado, pensando em como o ser humano pode ser tão repugnante e violento. Ofensas, xingamentos, boatos espalhados é apenas um pouco do que esses jovens passam.
 Aos leitores desse texto, gostaria de passa a seguinte mensagem: bullying não é brincadeira. Bullying mata. Não é exagero, nem drama. Bullying existe e é preciso ser falado sobre. Então se você identificar um caso de bullying, por favor salve a vida de alguém.

*Luiza Pereira Siqueira, estudante da Escola José Mânica