Edição do dia 20/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Feriado em Santa Cruz do Sul
GERAL - Saiba como funcionarão os principais serviços nesta sexta-feira, 20
Livro Dois meninos será lançado em Santa Cruz
VARIEDADES
JTI promove a língua inglesa entre colaboradores
GERAL
Equipes da Afubra realizam avaliações nas lavouras atingidas
GERAL
100 anos Sicredi VRP: Solenidade marca os 100 anos
ESPECIAIS
100 anos Sicredi VRP: Programação intensa durante todo o ano
ESPECIAIS
Dia do Contador: A saúde financeira do seu negócio depende dele
ESPECIAIS - Conheça um pouco mais sobre a profissão do contador e sua data comemorativa
Mensagem pelo Dia do Contador
ESPECIAIS - Rugard Kanitz - presidente do Sincotec VARP
Dia do Contador: Conheça os vencedores da 6ª edição do Concurso de Redação Tributação e Cidadania
ESPECIAIS
Preservação da cultura alemã no traje oficial
VARIEDADES
As donas das flores
GERAL - O trabalho delas é cultivar a natureza que enfeita a cidade
Shopping Santa Cruz recebe convidadas para bate-papo
GERAL - Quatro mulheres estarão à frente do evento de troca de experiências
Irmãos de Axé visitam Terreiro de Candomblé na Bahia
GERAL
Galo tem jogos importantes no final de semana
ESPORTES
Copa CFC Celso abre decisão em Linha Santa Cruz
ESPORTES
Assaf encara a Assoeva no Ginásio da Unisc neste sábado
ESPORTES
SCS Skate Contest: um incentivo ao esporte
ESPORTES
Gelson Conte substitui China Balbino no Avenida
ESPORTES

A história viva morre aos poucos

OPINIÃO - 30/04/2019

No ano passado tivemos a quase destruição do Museu Nacional, vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Até setembro de 2018, era um dos maiores museus de história natural e de antropologia das Américas. E, nessa semana, assistimos à destruição de boa parte da catedral de Notre-Dame, um dos símbolos de Paris, capital francesa, e o monumento histórico mais visitado da Europa. Lembremos também da quantidade de museus, bibliotecas dos países em guerra que são destruídos por bombas ou saques. A história viva morre aos poucos.
Temos muitas leis, decretos e resoluções que garantem a segurança e proteção. Exemplo é a Resolução 2347, adotada pelo Conselho de Segurança da ONU, que protege o patrimônio cultural. No Brasil, desde 1937, existe o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Cidadania que responde pela preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro. O Iphan tem como objetivo proteger e promover os bens culturais do País para as gerações presentes e futuras. Será que não estamos apenas “contando” a história e esquecendo de criar nos estudantes o desejo de conhecer para amar os tempos que nos antecederam?
Não somos frutos apenas do hoje, temos uma bagagem cultural, política, econômica e religiosa que nos acompanha durante séculos. O futuro depende do presente e do passado; se destruímos nossos monumentos, cometemos um “pecado social” contra às gerações futuras.
As tragédias que destroem nosso patrimônio cultural deixam cinzas e uma escuridão sem igual. Cada cidadão tem por dever cuidar de sua história e do seu patrimônio, não apenas deixar para o Estado ou jogar a culpa no outro. Trata-se de um compromisso individual, é participação cidadã e política. Que as instituições educacionais trabalhem mais para formar excelentes acadêmicos e virtuosos cidadãos de valores, preservando a memória viva da humanidade.

*José Carlos Pereira - Diretor do Colégio Marista Criciúma (SC)