Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Copa CFC Celso tem rodada em Alto Linha Santa Cruz, no domingo
ESPORTES - Líder João Alves encara o Rio Pardinho na primeira partida da tarde
Mundial Unisc de futsal feminino ocorre neste final de semana
ESPORTES
Copa Cidade: Esmeralda vence o Unidos da Villa
ESPORTES - Jogo aconteceu no estádio da Timbaúva, no Arroio Grande
Portaria amplia setores com trabalho permanente no domingo e feriado
GERAL - A portaria está publicada no Diário Oficial desta quarta-feira
Brasil empata com a Venezuela pela Copa América: 0 a 0
ESPORTES - Líder do Grupo A, Canarinho volta a campo sábado (22), contra o Peru
'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO

Um dia para saudar as lutas históricas

ESPECIAIS - 30/04/2019

Em Chicago (1886), trabalhadores sofreram uma forte repressão policialEm Chicago (1886), trabalhadores sofreram uma forte repressão policial Crédito: Reprodução/Internet

A caracterização simbólica do 1º de maio enquanto Dia do Trabalhador insere-se num contexto mais amplo de mobilizações trabalhistas protagonizadas no último quartel do século XIX. Destaca-se neste sentido, o ano de 1886, onde na cidade de Chicago ocorreu uma importante manifestação popular com a presença de milhares de trabalhadores, além de uma ampla greve geral organizada em boa parte do território estadunidense. Estes trabalhadores sofreram uma forte repressão policial por reivindicarem melhores condições de trabalho. A partir destas mobilizações houveram inúmeros operários mortos e presos que, desde então, tornaram-se símbolos globais de resistência e luta.
No Brasil, a data foi cultuada nas duas primeiras décadas do século XX, no entanto, foi em 1925 que o 1º de maio passou a ser feriado nacional. Segundo uma das importantes especialistas no assunto, a historiadora Ângela de Castro Gomes, durante a chamada Primeira República, “o 1º de maio seria um momento de reivindicar e de demonstrar a força dos trabalhadores organizados em algumas cidades do país”. Conforme a pesquisadora, “as lideranças do movimento operário realizavam comícios, organizavam greves, enfrentando o patronato e a polícia. As principais reivindicações eram a jornada de oito horas de trabalho (quando se trabalhava de 10 a 12 horas por dia), a abolição do trabalho infantil (crianças de seis anos eram operários) e a proteção ao trabalho da mulher, entre as mais importantes”.
Em diversos contextos e ao longo do século passado, as lutas trabalhistas e sindicais não foram em vão. Os trabalhadores de todo o mundo conquistaram uma série de direitos e, em alguns países, tais direitos ganharam códigos de trabalho e também estão sancionados por constituições democráticas. Mas os direitos do trabalho, como quaisquer outros direitos, podem avançar ou retroceder com o passar do tempo e com as pressões de grupos sociais organizados. Sob diversos pontos, nos últimos anos,os trabalhadores brasileiros presenciaram um período de “flexibilização” de seus direitos historicamente conquistados. Não por acaso, a ascensão de governos neoliberais tem promovido a criminalização sindical, a precarização do trabalho, a retirada de direitos, de modo que seus desdobramentos são perceptíveis no crescimento do desemprego, do mercado informal, da vulnerabilidade social e, sobretudo, da violência.  
A reforma trabalhista no governo anterior e a atual reforma da previdência recolocaram na ordem do dia o desafio da rearticulação social. A mobilização contemporânea exige um olhar crítico sobre a perspectiva neoliberal enquanto tendência de hegemonia global, bem como de fragilização das democracias e das estruturas governamentais. Por isso mesmo, o 1º de maio constitui uma boa oportunidade para saudarmos a memória daqueles que através da luta nos legaram melhores condições de vida e trabalho. Defender direitos historicamente conquistados, no Brasil de hoje, trata-se de um compromisso ético que tem como horizonte garantir às futuras gerações de trabalhadores brasileiros uma oportunidade de vida digna. 

Mateus Silva Skolaude, Doutor em HistóriaMateus Silva Skolaude, Doutor em História Crédito: Divulgação/Unisc

*Mateus Silva Skolaude
Pós-doutorando em Educação no Programa de Pós-Graduação - Mestrado e Doutorado em Educação da Unisc e Doutor em História pela PUC-RS