Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Seminário Empretec acontece em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento, que está com inscrições abertas, é promovido pelo Sebrae RS e acontecerá de 30/09 a 05/10
Sem meio-campo, Inter agora soma 9 vices nacionais
ESPORTES - Time gaúcho perdeu a Copa do Brasil dentro de casa para o Athletico/PR, campeão inédito do torneio
9ª edição do Open Extreme Brasil enaltece a história das danças urbanas
VARIEDADES - Grandes nomes das danças urbanas do Brasil ministram aulas neste fim de semana
Saúde reforça para o cuidado contra sífilis
SAÚDE
Gravidez na adolescência: número de casos diminui, mas ainda preocupa
GERAL
Semana Municipal de Educação no Trânsito é aprovada pela Câmara
GERAL - Iniciativa é do vereador Alberto Heck (PT) que destaca a destinação de recursos para a realização de uma semana de conscientização por um trânsito mais seguro
Projeto de alunas do Senac Santa Cruz do Sul ajuda na diminuição do uso de sacolas plásticas
GERAL
Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria

Um dia para saudar as lutas históricas

ESPECIAIS - 30/04/2019

Em Chicago (1886), trabalhadores sofreram uma forte repressão policialEm Chicago (1886), trabalhadores sofreram uma forte repressão policial Crédito: Reprodução/Internet

A caracterização simbólica do 1º de maio enquanto Dia do Trabalhador insere-se num contexto mais amplo de mobilizações trabalhistas protagonizadas no último quartel do século XIX. Destaca-se neste sentido, o ano de 1886, onde na cidade de Chicago ocorreu uma importante manifestação popular com a presença de milhares de trabalhadores, além de uma ampla greve geral organizada em boa parte do território estadunidense. Estes trabalhadores sofreram uma forte repressão policial por reivindicarem melhores condições de trabalho. A partir destas mobilizações houveram inúmeros operários mortos e presos que, desde então, tornaram-se símbolos globais de resistência e luta.
No Brasil, a data foi cultuada nas duas primeiras décadas do século XX, no entanto, foi em 1925 que o 1º de maio passou a ser feriado nacional. Segundo uma das importantes especialistas no assunto, a historiadora Ângela de Castro Gomes, durante a chamada Primeira República, “o 1º de maio seria um momento de reivindicar e de demonstrar a força dos trabalhadores organizados em algumas cidades do país”. Conforme a pesquisadora, “as lideranças do movimento operário realizavam comícios, organizavam greves, enfrentando o patronato e a polícia. As principais reivindicações eram a jornada de oito horas de trabalho (quando se trabalhava de 10 a 12 horas por dia), a abolição do trabalho infantil (crianças de seis anos eram operários) e a proteção ao trabalho da mulher, entre as mais importantes”.
Em diversos contextos e ao longo do século passado, as lutas trabalhistas e sindicais não foram em vão. Os trabalhadores de todo o mundo conquistaram uma série de direitos e, em alguns países, tais direitos ganharam códigos de trabalho e também estão sancionados por constituições democráticas. Mas os direitos do trabalho, como quaisquer outros direitos, podem avançar ou retroceder com o passar do tempo e com as pressões de grupos sociais organizados. Sob diversos pontos, nos últimos anos,os trabalhadores brasileiros presenciaram um período de “flexibilização” de seus direitos historicamente conquistados. Não por acaso, a ascensão de governos neoliberais tem promovido a criminalização sindical, a precarização do trabalho, a retirada de direitos, de modo que seus desdobramentos são perceptíveis no crescimento do desemprego, do mercado informal, da vulnerabilidade social e, sobretudo, da violência.  
A reforma trabalhista no governo anterior e a atual reforma da previdência recolocaram na ordem do dia o desafio da rearticulação social. A mobilização contemporânea exige um olhar crítico sobre a perspectiva neoliberal enquanto tendência de hegemonia global, bem como de fragilização das democracias e das estruturas governamentais. Por isso mesmo, o 1º de maio constitui uma boa oportunidade para saudarmos a memória daqueles que através da luta nos legaram melhores condições de vida e trabalho. Defender direitos historicamente conquistados, no Brasil de hoje, trata-se de um compromisso ético que tem como horizonte garantir às futuras gerações de trabalhadores brasileiros uma oportunidade de vida digna. 

Mateus Silva Skolaude, Doutor em HistóriaMateus Silva Skolaude, Doutor em História Crédito: Divulgação/Unisc

*Mateus Silva Skolaude
Pós-doutorando em Educação no Programa de Pós-Graduação - Mestrado e Doutorado em Educação da Unisc e Doutor em História pela PUC-RS