Edição do dia 20/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Feriado em Santa Cruz do Sul
GERAL - Saiba como funcionarão os principais serviços nesta sexta-feira, 20
Livro Dois meninos será lançado em Santa Cruz
VARIEDADES
JTI promove a língua inglesa entre colaboradores
GERAL
Equipes da Afubra realizam avaliações nas lavouras atingidas
GERAL
100 anos Sicredi VRP: Solenidade marca os 100 anos
ESPECIAIS
100 anos Sicredi VRP: Programação intensa durante todo o ano
ESPECIAIS
Dia do Contador: A saúde financeira do seu negócio depende dele
ESPECIAIS - Conheça um pouco mais sobre a profissão do contador e sua data comemorativa
Mensagem pelo Dia do Contador
ESPECIAIS - Rugard Kanitz - presidente do Sincotec VARP
Dia do Contador: Conheça os vencedores da 6ª edição do Concurso de Redação Tributação e Cidadania
ESPECIAIS
Preservação da cultura alemã no traje oficial
VARIEDADES
As donas das flores
GERAL - O trabalho delas é cultivar a natureza que enfeita a cidade
Shopping Santa Cruz recebe convidadas para bate-papo
GERAL - Quatro mulheres estarão à frente do evento de troca de experiências
Irmãos de Axé visitam Terreiro de Candomblé na Bahia
GERAL
Galo tem jogos importantes no final de semana
ESPORTES
Copa CFC Celso abre decisão em Linha Santa Cruz
ESPORTES
Assaf encara a Assoeva no Ginásio da Unisc neste sábado
ESPORTES
SCS Skate Contest: um incentivo ao esporte
ESPORTES
Gelson Conte substitui China Balbino no Avenida
ESPORTES

Desemprego: soluções em vista?

EDITORIAL - 24/05/2019

O jornal ‘Folha de S. Paulo’ publicou em 11 de maio, a seguinte manchete: “Reforma trabalhista não cria novas vagas e defensores culpam crise”. Em texto publicado no portal ‘Carta Maior’ e em seu blog, Jorge Luiz Souto Maior recorda: “Antes (os defensores da reforma trabalhista) diziam que a crise econômica era provocada pela legislação trabalhista que, atrasada, gerava insegurança jurídica e não estimulava contratações”. Souto Maior é professor livre-docente de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP).

A reforma trabalhista foi realizada ainda no governo de Michel Temer. No parecer final do relator dessa reforma, dizia o seguinte: “Temos, assim, plena convicção de que essa reforma contribuirá para gerar mais empregos formais e para movimentar a economia, sem comprometer os direitos tão duramente alcançados pela classe trabalhadora”.

Voltando a Souto Maior, ele escreveu o seguinte, demonstrando que a argumentação sobre a reforma trabalhista foi alterada: “Enfim, a crise econômica foi utilizada como justificativa para a aprovação de uma ‘reforma’ que, segundo se dizia, eliminaria a crise e, agora, a crise constitui o motivo pelo qual a ‘reforma’ não acabou com a crise. Vai entender...”

Diante desse quadro, podemos questionar: a reforma da Previdência, que ainda está em gestação, vai trazer as soluções esperadas? Se a reforma trabalhista ia combater o desemprego, será que a reforma da Previdência conseguirá realizar esse papel? É inevitável fazer essas perguntas quando o cenário é este que se apresenta atualmente no Brasil. São mais de 13 milhões de desempregados. As medidas colocadas em prática não foram suficientes. A reforma prevista vai trazer as soluções?