Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Seminário Empretec acontece em Santa Cruz do Sul
GERAL - O evento, que está com inscrições abertas, é promovido pelo Sebrae RS e acontecerá de 30/09 a 05/10
Sem meio-campo, Inter agora soma 9 vices nacionais
ESPORTES - Time gaúcho perdeu a Copa do Brasil dentro de casa para o Athletico/PR, campeão inédito do torneio
9ª edição do Open Extreme Brasil enaltece a história das danças urbanas
VARIEDADES - Grandes nomes das danças urbanas do Brasil ministram aulas neste fim de semana
Saúde reforça para o cuidado contra sífilis
SAÚDE
Gravidez na adolescência: número de casos diminui, mas ainda preocupa
GERAL
Semana Municipal de Educação no Trânsito é aprovada pela Câmara
GERAL - Iniciativa é do vereador Alberto Heck (PT) que destaca a destinação de recursos para a realização de uma semana de conscientização por um trânsito mais seguro
Projeto de alunas do Senac Santa Cruz do Sul ajuda na diminuição do uso de sacolas plásticas
GERAL
Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria

"Município ideal para empreender e viver"

Secretário César Cechinato faz uma análise da realidade econômica de Santa Cruz, estado e país

ESPECIAIS - 24/05/2019

Nelson Treglia
nelson@riovalejornal.com.br

O Dia da Indústria é comemorado no dia 25 de maio em todo o Brasil. Para fazer uma análise sobre a realidade industrial e econômica de Santa Cruz do Sul, do estado e do país, o ‘Riovale Jornal’ entrevistou o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, César Cechinato, integrante da administração do prefeito Telmo Kirst.
Segundo Cechinato, Santa Cruz se mantém forte na área econômica, mesmo com a crise que assolou o Brasil nos últimos anos. Mesmo no período de recessão do país, o município seguiu firme, em grande parte devido à sua capacidade industrial, caracterizada pela pujança do setor do tabaco. 
“A indústria, mas também toda a cadeia produtiva do tabaco, tem uma grande importância histórica e também no atual momento econômico de Santa Cruz do Sul, e do Vale do Rio Pardo”, afirma Cechinato, na entrevista que você confere a seguir:

Riovale - Cechinato, como pode ser avaliado o atual momento econômico de Santa Cruz do Sul? É uma fase positiva? Por quê?
Cechinato -
O Brasil sofreu uma profunda recessão entre 2014 a 2016, e um crescimento pífio em 2017 e 2018. Neste período, 2014 a 2018, o PIB nacional encolheu 4,14%. Entretanto pela características de seu perfil econômico, principalmente de sua indústria, Santa Cruz do Sul sofreu muito pouco em termos de renda e empregabilidade. Diferente até das principais cidades do RS, atraímos neste período, empresas de fora do Estado, e do próprio Estado, que aqui geraram mais postos de trabalho, compensando outros setores da nossa economia, que sofreram alguma oscilação frente à forte recessão nacional. Tudo isso, de certa forma, traduz-se na posição destacada que Santa Cruz vem ocupando nos diversos rankings nacionais. Em outubro de 2018, a Revista Exame (principal revista de economia e negócios da América Latina) classificou Santa Cruz do Sul, a 20ª melhor cidade do Brasil para se investir e fazer negócios. A segunda do RS, somente atrás de Porto Alegre, que possui 1,5 milhão de habitantes. Hoje, qualquer investimento que tenha como direção o RS, terá que olhar obrigatoriamente para Santa Cruz do Sul por seus diferenciais competitivos e qualidade de vida.

Secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, César CechinatoSecretário municipal de Desenvolvimento Econômico, César Cechinato Crédito: Viviane Scherer Fetzer

Riovale - No que se refere à geração de empregos, Santa Cruz possui uma situação privilegiada, na sua opinião? Por quê?
Cechinato -
Neste período (2014 a 2018) de forte recessão e/ou pífio crescimento, o Brasil extinguiu 2,5 milhões de postos de trabalho com carteira assinada, onde o Rio Grande do Sul contribuiu também com a extinção de 130 mil empregos. Municípios com forte e tradicional base industrial como Caxias do Sul, Canoas e Gravataí, por exemplo, extinguiram 20 mil, 11 mil e 6 mil postos de trabalho, respectivamente. Em Santa Cruz do Sul, neste mesmo período, o número de trabalhadores com carteira assinada manteve-se estável, praticamente inalterado. Os segmentos que reduziram investimentos, extinguiram postos de trabalho, foram compensados pela chegada de novas empresas, e pelos investimentos de empresas locais. Em o Brasil e o Rio Grande do Sul voltando a crescer, Santa Cruz larga em condições vantajosas, pois consolidou sua imagem junto a investidores como município ideal para empreender e viver.

Riovale - A presença da indústria do tabaco no município está diretamente ligada à boa qualidade de vida da população santa-cruzense? Qual sua avaliação nesse sentido?
Cechinato -
A indústria, mas também toda a cadeia produtiva do tabaco, tem uma grande importância histórica e também no atual momento econômico de Santa Cruz do Sul, e do Vale do Rio Pardo. Ainda é, e vai continuar sendo, o principal segmento da nossa economia, mesmo com todos os esforços e direcionamento para a diversificação da economia. Apesar do processo acelerado de desindustrialização da economia brasileira, ainda é a indústria de transformação que emprega grandes contingentes e paga bons salários. Em Santa Cruz do Sul, a indústria de transformação representa 28% do total de 38.752 trabalhadores (em 01/01/2019), com carteira assinada. Do total de trabalhadores da indústria de transformação do município, as indústrias de processamento de tabaco e cigarreiras representam um terço do contingente, isto sem contar os 6,2 mil trabalhadores safristas, cujos contratos, têm prazos de 5 a 7 meses. Este contingente de trabalhadores, juntamente com os demais elos da cadeia produtiva do tabaco (agricultores, transportadores, fornecedores de insumos,…) que compõem o sistema integrado de produção, e com a contribuição de outros setores industriais, foram o principal vetor que conduziram à destacada posição de Santa Cruz no PIB gaúcho ao longo de décadas, e na boa qualidade de vida que apresenta.

Riovale - Tentativa de reformas e contingenciamento de gastos têm caracterizado o governo Bolsonaro. O senhor entende que essas políticas vão beneficiar a economia brasileira, e também a indústria nacional?
Cechinato -
Uma reforma previdenciária ampla é fundamental para a volta de investimentos e consequente geração de empregos. O Estado obeso e ineficiente é hoje o maior empecilho do crescimento relevante e sustentável. Além da reforma previdenciária, é fundamental que ela venha acompanhada de uma reforma tributária para melhorar a produtividade e a competitividade da indústria nacional.
As medidas contracionistas, a maioria delas necessárias, do Governo Bolsonaro, deveriam vir acompanhadas de medidas pontuais de incentivos a setores intensivos de mão de obra, desburocratização, ampliação de parcerias público-privadas e concessões, sob pena de intensificarem, mais ainda, o quadro dramático do emprego no país. O Brasil, e o nosso Estado, vivem um processo de violenta e rápida desindustrialização, que precisa ser contido mediante políticas de incentivos à produtividade, com fortes investimentos em educação e infraestrutura.

Riovale - No âmbito estadual, como o senhor analisa o trabalho do governador Eduardo Leite, na área econômica?
Cechinato -
O governo está implementando a agenda apresentada na campanha. Encontrou o Estado em colapso financeiro, situação construída ao longo de vários governos. Num primeiro momento está ampliando a oferta de ativos através da venda de estatais para possibilitar a adesão ao regime de recuperação fiscal, equacionando a negociação da gigantesca dívida com a União Federal. Para o Estado voltar a receber investimentos é necessário melhorar e ampliar a infraestrutura, o que vai ser feito através de concessões (RSC-287 entre elas) e parcerias. Melhorando o ambiente de negócios e de atração de novos investimentos, o Governo vai lentamente regularizar o fluxo de pagamentos para a saúde (por exemplo) e em seguida restabelecer o fluxo normal de pagamento dos servidores. É fundamental que estas medidas sejam implementadas nos primeiros 18 meses de gestão, e está colocando toda sua energia e articulação nestes projetos para tirar o RS desta situação falimentar.

Riovale - Quais os principais desafios de Santa Cruz na área econômica, e particularmente na indústria? A defesa da cultura do tabaco é essencial para a manutenção do nosso crescimento?
Cechinato -
É fundamental protegermos e incentivarmos o que nos manteve em situação relativamente confortável neste período de recessão e baixo crescimento no Brasil. O poder público municipal em parceria com as entidades empresariais e demais instituições vão continuar a implementar ações buscando a diversificação e o crescimento da nossa economia. Nos últimos anos nos tornamos também um centro regional de compras e serviços, um polo de saúde, de ensino, de tecnologia. O turismo nos proporcionará grandes investimentos e empregos. O setor de logística já responde por quase 10% da geração de impostos do município. A indústria nos trouxe até aqui, e é fundamental que nos transporte para o futuro, garantindo emprego e renda de alto valor agregado e qualidade de vida.