Edição do dia 19/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

'Joga Pouco, Ajuda Muito' acontece nesta quinta
ESPORTES
Segundona Gaúcha: Presidente do Galo lamenta desclassificação
ESPORTES
Série D do Brasileiro: Avenida segue forte
ESPORTES - Direção espera estádio lotado para decidir vaga no segundo jogo, em casa, contra o Caxias
Computação Desplugada é realidade em escolas públicas de Santa Cruz do Sul
EDUCAÇÃO - Material didático do projeto Computação na Educação foi lançado na tarde desta terça-feira, 18, na Unisc
Ensino das escolas é discutido em todo o país
EDUCAÇÃO
Thiago Porto: enaltecendo a cultura santa-cruzense
VARIEDADES - Com mais de um milhão de visualizações no YouTube músico se prepara para mais um lançamento
Restaurante Mafalda: há 18 anos servindo gastronomia de qualidade
GERAL - O estabelecimento conta com buffet tradicional e buffet para viandas
Oficina de Apoio às Famílias será na próxima terça-feira
GERAL - O Riovale Jornal entrevistou a advogada Dra. Andjanete L. Mess Hashimoto, que explica o procedimento das atividades
Câmara aprova projeto de segurança
GERAL
Mercur chega aos 95 anos com livro publicado
EMPRESARIAL - Curso para inspirar um mundo mais colaborativo também foi disponibilizado
Corpus Christi: Fé e arte para celebrar a data
RELIGIÃO - Celebração inicia às 9 horas com missa na Catedral São João Batista e após procissão segue pelas principais ruas
Quem é contra a reforma da Previdência Social não é contra o Brasil
OPINIÃO
Um novo INSS
OPINIÃO
A criminalização da Homotransfobia
OPINIÃO
Uso de simulador deixa ser obrigatório
GERAL - A resolução visa reduzir burocracia e baixar o custo da CNH
Feminismo por um mundo melhor
EDITORIAL
Piloto de Santa Cruz do Sul vence mais uma prova e lidera Campeonato Gaúcho
ESPORTES - Roberto Keller compete ao lado do navegador de Santana do Livramento, Marcelo Ritter
Unisc e Banrisul firmam convênio para oferecer financiamento estudantil
ECONOMIA

Uma nova era no futebol feminino

Entenda por que a Copa do Mundo 2019 é um marco para o futebol das mulheres no Brasil

ESPORTES - 07/06/2019

Seleção Brasileira estreia no domingo contra a JamaicaSeleção Brasileira estreia no domingo contra a Jamaica Crédito: Divulgação/Assessoria CBF

Se até 1979 um decreto assinado na era Vargas proibia as mulheres de praticar o futebol, não é exagero dizer que a modalidade ganha o respeito e o destaque que merece apenas 40 anos depois no Brasil. Após oito edições de Copa do Mundo e seis dos Jogos Olímpicos, o reconhecimento social do esporte parece, enfim, ter chegado, tanto por parte de torcedores, como de patrocinadores e mídia. Isso tudo tem a ver com a Copa do Mundo de Futebol Feminino, que será disputada na França, a partir desta sexta-feira, 7.
A competição, no formato de Copa do Mundo, ocorre desde 1991, porém somente em 2019 a competição terá a cobertura da maior emissora de TV aberta do país, a Globo - antes, os jogos eram restritos basicamente aos canais de esporte por assinatura. Ao mesmo tempo, pela primeira vez, uma marca de refrigerantes, que é patrocinadora da seleção masculina, fez das jogadoras protagonistas de um comercial às vésperas de um torneio importante, fato comum entre os homens. Mais do que isso: a peça publicitária lançou um desafio para que outras empresas também façam o mesmo.
A pessoa por trás desse marco no mercado publicitário esportivo é uma mulher. Keka Morelle, diretora executiva de criação da campanha e da agência Almap BBDO, admite que a propaganda simboliza um pedido de desculpas, mas também uma forma de incentivo para que outras companhias quebrem o que chamou de “círculo vicioso do futebol feminino”. Ela avalia que, com mais comerciais, o esporte ganha visibilidade, após ter sido deixado em segundo plano por anos.
“O mais legal foi que realmente as marcas criaram projetos maiores. Nós sabemos de lançamentos de campanhas que ainda estão por vir. Porque isso gerou um incômodo, gerou uma provocação e as outras marcas também pensaram ‘temos que falar, apoiar e incentivar as meninas’. O futebol feminino representa também algo muito maior, sobre feminismo, identidade de gênero, representatividade, é muito mais do que o esporte”, analisou.
Quem não se lembra da icônica propaganda de uma marca de material esportivo, em 1998, em que Ronaldo Fenômeno, Romário e outros jogadores driblam passageiros e seguranças no aeroporto? 21 anos depois, é uma atleta da seleção feminina, prestes a disputar uma Copa do Mundo na França, que estrela a campanha. Também patrocinadora do Brasil, a empresa americana conta a história de Andressa Alves, jogadora do Barcelona. A peça inclui o lançamento de uma bola personalizada com seu desenho.

Mercado internacional

A exposição “Contra-Ataque”, em cartaz no Museu do Futebol, no estádio do Pacaembu, em São Paulo, conta a trajetória e a luta das mulheres pelo direito de praticar o esporte - elas se opunham à determinação do governo que as avaliava como fisicamente incapazes. Segundo Aira Bonfim, curadora da mostra, a tendência é que o crescimento se mantenha e o futebol feminino evolua e se profissionalize cada vez mais.
“O futebol feminino já é um mercado internacional. E que quem estava perdendo o timing desses negócios era o Brasil. E, de fato, não é um mercado competitivo como o masculino, é outro mercado que está sendo conquistado. Isso está acontecendo. A ideia é essa, acho que vai conceber um novo mercado, paralelo, independente, que tem condições de crescer muito. Já temos condições de pensar em calendário mais estruturado, para tentar campeonatos de base, Paulista, Brasileiro. A ideia não é retroceder, já estamos muito distantes do que estávamos há quatro anos. Acho que o futuro é estruturar uma modalidade que seja rentável”, projetou.
Vinte e três mulheres, batalhadoras, que não abaixaram a cabeça e lutam diariamente por seu lugar ao sol, entram em campo em busca de um título inédito. Fora dele, milhões de torcedores têm a oportunidade de apoiar e estimular o desenvolvimento de um esporte que já é considerado paixão nacional quando praticado por homens.
A bola rola na Copa do Mundo Feminina a partir desta sexta-feira, 7. O Brasil estreia neste domingo, 9, contra a Jamaica, às 10h30 da manhã, horário de Brasília. (Fonte: Agência do Rádio Mais)