Edição do dia 25/06/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Integrante da comitiva de Bolsonaro é preso na Espanha
POLÍCIA - Militar portava 39kg de cocaína na viagem rumo ao Japão
Empresários estão otimistas com relação à queda da inadimplência em 2019
ECONOMIA - Em Santa Cruz do Sul, o índice tem se mantido nos primeiros meses do ano e segue mais baixo em comparação ao restante do Brasil
Câmara aprova contratações de servidores
GERAL
Invernadas mirins dos CTGs Lanceiros e Rincão da Alegria conquistam bons resultados no Enart
VARIEDADES
Um em cada cinco brasileiros afirma dirigir usando o celular
GERAL
Semana Ufológica passa por Santa Cruz
GERAL - Evento itinerante que envolve cinco cidades do Rio Grande do Sul acontece nesta terça no município
Adolescência é tema de seminário ampliado
GERAL - Participaram do evento representantes de parceiros da educação e assistência social nos municípios
Empresas de Santa Cruz do Sul participam da Exposuper Acats em SC
GERAL
Mês romântico no Riovale Jornal
GERAL - Em parceria com empresas santa-cruzenses diversos prêmios foram sorteados na página do Facebook
Corede/VRP faz renovação da Assembleia nesta terça
GERAL - Encontro para a definição dos novos integrantes ocorre no dia 25 de junho, na sala 101 da Unisc
Unimed VTRP recebe startups de diversos cantos do Brasil
GERAL - Evento acontece na próxima quarta-feira, 26, em Lajeado
Teia de Saberes 2019 contempla terceira idade
GERAL
Pesquisa avalia transformações da vida no campo
GERAL - Resultados de estudo realizado com famílias que plantam tabaco em Vale do Sol gerou livro
Viagem Segura de Corpus Christi fiscaliza 37,4 mil veículos no RS
GERAL
Encontro debate a Lei Geral de proteção de Dados
GERAL
CPERS: Encontro Regional é na quinta
GERAL
Assembleia Geral Ordinária acontece na quarta
GERAL
Santa Cruz registra 100 notificações de dengue
SAÚDE

STF reafirma proibição ao desconto em folha da contribuição sindical

Conteúdo da MP 873, que proíbe a ação dos sindicatos segue em vigor até o prazo final para sua aprovação no Congresso no mês que vem.

GERAL - 07/06/2019

O Supremo Tribunal Federal (STF) reafirmou, em decisão liminar, que cabe ao trabalhador e não à assembleia de classe, decidir se deseja ou não pagar a contribuição sindical, revogando, assim, a decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região, que contrariando diverge da nova regra trazida pela Reforma Trabalhista – e também já declarada constitucional pelo próprio STF.
De acordo com o advogado Flavio Lemos, da equipe BVK Advogados Associados, esta decisão do STF reafirma a constitucionalidade das alterações promovidas pela Reforma Trabalhista, em vigor desde novembro de 2017. “Especialmente no que se refere a não obrigatoriedade de pagamento da contribuição sindical e demais contribuições previstas em norma coletiva”, destaca. Lemos que é especialista em Direito Trabalhista, pontua que a decisão é específica para o processo no qual foi proferida, contra uma ação que determinava que uma empresa de Caxias do Sul descontasse a contribuição sindical, mesmo sem a autorização individual dos trabalhadores. “A decisão serve apenas como precedente neste sentido, demonstra a posição do STF quanto ao tema”, complementa.
Segundo a advogada Kellen Santos, coordenadora do Departamento Trabalhista do BVK Advogados Associados, seguindo a posição do STF, as empresas precisam entender que não pode ser realizado nenhum desconto sindical do trabalhador, sem que este tenha manifestado o interesse em contribuir, de forma prévia, individual e expressa, segundo a legislação trabalhista. “Mais ainda, as empresas precisam considerar as recentes alterações feitas pela Medida Provisória n° 873, enquanto esta estiver em vigor, na qual, os pagamentos sindicais, mesmo com autorização prévia, individual e expressa, não devem ser feitos mediante desconto salarial, mas sim pelo próprio trabalhador.”

O que o empregador precisa saber

Para a advogada Fabiane Maura Consalter, o empregador precisa saber que o que está em vigor, no que se refere à relação entre trabalhadores e sindicato é o que está previsto no texto da Reforma Trabalhista. “A legislação vigente prevê que o empregador, mesmo possuindo autorização prévia e expressa do funcionário para desconto das contribuições, não pode fazer nenhum desconto de contribuições sindicais, já que o pagamento deverá ser efetuado pelo próprio trabalhador que assim desejar por meio de boleto ao sindicato da categoria”, detalha.
Fabiane é especialista em Direto Trabalhista e revela que a Medida Provisória 873 – que tem caráter provisório, como o próprio nome revela – se não for convertida em lei perderá vigência em julho deste ano. “É esta MP que determina a não cobrança em folha de pagamento. Caso ela perca a validade, passará a valer a regra da reforma, que permite o desconto em folha.”
Já para os sindicatos, o correto seriam todos seguirem o que determina a reforma trabalhista. “Contudo, como o acesso ao Judiciário é livre e a legislação sobre o tema não favorece os sindicatos, eles estes estão tentando, através de ajuizamento de ações, reverter às novidades recentes alterações legislativas. Diante disso, acreditamos que ainda teremos muitas discussões até que tenhamos alguma decisão definitiva posição definitiva e uniforme entre os juízes” , complementa o advogado Flávio Lemos.

Saiba mais

A discussão começou depois da entrada em vigor da Medida Provisória (MP) 873, proibindo o desconto em folha do trabalhador de qualquer verba em favor dos sindicatos. Após a medida, diversas ações estão pedindo a realização de descontos das contribuições. Estas medidas vêm sendo ajuizadas pelos sindicatos, com o argumento de que a autorização coletiva em assembleia supre a necessidade de autorização individual, prévia e expressa do funcionário.
Mesmo que contrário ao previsto na Reforma Trabalhista e MP 873, algumas dessas ações tiveram decisões favoráveis concedendo liminar para realizar os descontos, exatamente como ocorreu no caso julgado no Supremo. No entanto, em recurso apresentado pela empresa perante o STF, a decisão liminar foi cassada, reafirmando a constitucionalidade da legislação atual. A reafirmação da posição do STF traz segurança jurídica, por conta da validade e aplicabilidade da legislação vigente.