Edição do dia 19/07/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Domingo tem Brique da Praça
GERAL
Unisc forma 16ª turma de Medicina
GERAL
Stock: Nelsinho Piquet corre pela primeira vez em Santa Cruz do Sul
ESPORTES - Piloto da equipe Texaco Full Time Sports terá experiência inédita neste fim de semana na pista gaúcha
Edição de inverno do curso Escola de formação de professores tem início na Unisc
EDUCAÇÃO
Audiência pública debate alterações no Plano Diretor
GERAL
Quatro cidades gaúchas
VARIEDADES - Quarta temporada de 'O professor pelado' tem reestreia repaginada
Domingo tem etapa da 5ª Olimpíada Rural
GERAL - Esse será o primeiro compromisso oficial das 14 candidatas a soberanas da 35ª Oktoberfest
Copa Seu Verardi
ESPORTES - Uma semana de treinos no Avenida
Rodada desta sexta vai apontar os semifinalistas
ESPORTES
Em jogo duas vagas no mata-mata da Copa CFC Celso
ESPORTES
Assaf joga nesta sexta-feira em Santa Maria
ESPORTES - Jogo foi alterado em virtude do Grenal neste sábado
Stock Car: Quinta etapa é neste final de semana
ESPORTES - Serão dois dias de atividades sem a companhia da Stock Light
Renomada professora do Serviço Social estará em Santa Cruz
GERAL
Novo Cabrais: Escola lança livro de receitas saudáveis
EDUCAÇÃO
Novo Cabrais: Pimenta visita obras e reafirma apoio ao município
GERAL - Deputado federal participou de almoço e conferiu de perto a pavimentação da Avenida Rodolfo Buss
Ascor e Prefeitura planejam nova exposição
GERAL
Colégio Mauá assume gestão da Escola Criança & Cia
EDUCAÇÃO
Prefeitura anuncia restauração do prédio
GERAL - Marcando a decisão, muda de árvore também foi plantada por alunos da rede de ensino municipal

Operação do MP leva vereador à prisão

Paulo Lersch (PT) é apontado como líder de um esquema de captação de parte dos salários da Câmara de Vereadores de Santa Cruz

POLÍTICA - 07/06/2019

Vereador foi preso na noite de quarta-feira  Vereador foi preso na noite de quarta-feira Crédito: Arquivo/RJ

Rosibel Fagundes
rosibel@riovalejornal.com.br

Dois dias após ter sido afastado pelo diretório estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) alvo de um procedimento disciplinar na Comissão de Ética do partido o vereador Paulo Henrique Lersch, de 35 anos, foi preso preventivamente no início da noite da última quarta-feira, 5. A Operação do Ministério Público (MP), batizada de ‘Feudalismo’ apontou Lersch como líder de um esquema criminoso de captação de parte dos salários de servidores da Câmara de Vereadores de Santa Cruz do Sul. 
A investigação coordenada do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) revelou que desde maio do ano passado, servidores da Câmara nomeados por Lersch eram obrigados a entregar parte de seu salário ao vereador. Os valores eram entregues em envelopes na casa da mãe do petista. A mulher segundo apurado na investigação era responsável por receber e armazenar em sua residência o dinheiro. O assessor Carlos Henrique Gomes da Silva era encarregado de orientar e advertir os servidores para que entregasse parte dos seus salários. 
A mãe do vereador foi a única que não teve a prisão preventiva autorizada, pelo fato de não ser agente público e ter menor atuação nos atos de coação. O assessor assim como o vereador foram encaminhados ainda na noite de quarta-feira por uma viatura da Polícia Civil ao Presídio Regional. O trio vai responder por associação criminosa, concussão e coação no curso do processo – ou seja, teriam promovido ameaças e pressões contra testemunhas após o cumprimento de mandados na semana passada. De acordo com o promotor de Defesa Comunitária, Érico Barin, apenas uma servidora repassou mais de R$ 50 mil em um período de um ano. “Em quatorze situações ela teria sido obrigada a fazer o repasse em que os valores teriam passado de mais de R$4mil reais. Temos a prova mais clara com relação a duas funcionárias, mas suspeitamos de que mais uma pessoa também estava sendo coagida”. 
A investigação contou com provas obtidas além de depoimentos dos servidores, interceptações telefônicas e gravações feitas com autorização judicial. Em um dos mandados de busca e apreensão na casa da mãe do vereador, foram apreendidos R$ 8.150,00. O valor estava separado em dois envelopes guardados na gaveta de um cômodo. Os mesmos constavam os nomes das servidoras. 
O prazo da prisão preventiva à qual ele foi submetido, ainda é incerto como explica Barin. “Não possui um prazo determinado, mas ocorre durante o curso do processo ou até que aconteça uma decisão de habeas corpus. É um período incerto que se justifica enquanto mantido os fundamentos. E o nosso fundamento principal é garantir que as pessoas envolvidas sejam ouvidas sem sofrer qualquer tipo de coação”. No mesmo dia em que ocorreram as prisões, também foram cumpridos mandados de busca e apreensão na casa do vereador, em seu gabinete e na residência do assessor. 
Sobre a possibilidade de mais vereadores estarem sendo investigados por praticarem o esquema de captação de recursos de parte dos salários dos servidores ou outro tipo de esquema, o promotor de Defesa Comunitária Érico Barin preferiu não se manifestar. 
Nesta quinta-feira, o advogado de defesa de Paulo Lersch, Rafael Staub, do escritório Rafael Staub Advogados Associados, teve acesso ao conteúdo da denúncia do MP, já que até então o processo estava sob sigilo. “Estou analisando os autos do processo e as provas, e a partir disso vamos trabalhar na busca de um pedido de liberdade. Estamos focados exclusivamente no habeas corpus”.  De acordo o advogado o pedido seria feito ainda na quinta-feira. Sobre a reação do vereador ao ser preso o advogado afirmou, “existiu uma investigação, da qual em partes ele teve conhecimento, mas o fato de receber o mandado de prisão é obviamente uma surpresa. Não posso dizer que ele estava preparado. Pois, ninguém está preparado para isso”, afirmou o advogado de defesa de Lersch. Enquanto isso, na próxima segunda-feira 10, durante a sessão do legislativo o vereador Alberto João Heck tomará posse a cadeira que até então era ocupada por Paulo Lersch. Na ocasião, os vereadores também irão debater sobre a possibilidade de abertura de um processo de cassação de mandato de Lersch. 

Afastamento cautelar do PT 

No último dia 3, o vereador Paulo Lersch foi afastado do seu partido o PT. A decisão foi tomada pelo diretório após o vereador se tornar alvo de um procedimento disciplinar na Comissão de Ética do partido. O procedimento ocorreu após uma representação movida pela Secretaria de Promoção da Igualdade Racial pelo fato de Lersch ter votado contra a implantação de cotas raciais em concursos públicos da Prefeitura no ano passado. As cotas raciais são uma bandeira defendida historicamente pelo partido. O afastamento tem prazo de 60 dias ou até que o procedimento seja concluído na Comissão de Ética. Nesta quinta-feira, 5 o presidente municipal do PT, André Beck esteve reunido com integrantes do partido e representantes do diretório estadual Trabalhadores (PT), na Câmara de Vereadores de Santa Cruz. Na ocasião, foi discutida a questão da permanência do  vereador no partido.