Edição do dia 24/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brigada Militar prende suspeito com animal abatido
POLÍCIA
Saboreares: opção de qualidade o ano inteiro
EMPRESARIAL
Mecânica do Fernando: há nove anos prestando serviços de qualidade
EMPRESARIAL
Sabores deliciosos é na CremoLatto Sorvetes
EMPRESARIAL
O que você precisa saber sobre vagas para idosos e deficientes
GERAL
Cepru Unisc: Inscrições para Instrutor de Trânsito estão abertas
GERAL
Vegetação na Av. do Imigrante obstrui visão de motoristas
GERAL - Apesar de todo embelezamento, cidadãos reclamam que plantas prejudicam o trânsito
Mais seis escolas da rede municipal estão sendo revitalizadas
EDUCAÇÃO - Pintura interna e externa, aquisição de mobiliário, reforma nas quadras esportivas, instalação de playground, entre outros serviços estão sendo realizados
Vestibular solidário da Uninter ajuda escolas carentes
GERAL
Exposição fotográfica do Capsia está sendo realizada no Shopping Santa Cruz
VARIEDADES
O que o Novo Cemai terá de diferente?
SAÚDE
Campanha visa arrecadar material escolar
GERAL - Criada por um grupo de torcedores do Inter, ação se estende até o dia 15 de fevereiro
Brinqmania realiza festa beneficente para Juju
GERAL
Segunda edição do Bailinho da Borges está confirmada
VARIEDADES - O evento será realizado dia 15 de fevereiro, na Rua Borges do Medeiros
Literatura Brasileira dos Catarinenses
OPINIÃO
MP denuncia mais um vereador por 'rachadinha'
POLÍTICA - Alceu Crestani (PSDB) também teria mantido um funcionário fantasma em Monte Alverne
Aproveite seu verão no Park Nativo
GERAL
Novo valor da passagem gera controvérsia
ECONOMIA - Promotor de Defesa Comunitária vê espaço para cálculo com tarifa menor

Hospital Santa Cruz: Aniversário da Biblioteca da UTI Pediátrica

SAÚDE - 27/07/2019

O objetivo de criar a biblioteca é conectar pais e bebês de uma forma mais leve, ajudando a superar a dureza das horas dentro de uma UTIO objetivo de criar a biblioteca é conectar pais e bebês de uma forma mais leve, ajudando a superar a dureza das horas dentro de uma UTI Crédito: Divulgação

Ser paciente na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) não é nada fácil para as crianças e para seus pais. O que pode ajudar o tempo a passar mais rápido para as famílias é uma boa leitura. Na pressa de baixar à casa de saúde as pessoas não se dão conta de levar um livro para ler enquanto aguardam a espera por melhores resultados.
Com o objetivo de conectar pais e bebês de uma forma mais leve, ajudando a superar a dureza das horas dentro de uma UTI, fazendo o tempo de espera na unidade passar mais rápido e assim desbravar o mundo em histórias, foi criada no ano passado, junto com a equipe da UTI Pediátrica e com o apoio dos profissionais que lá atuam, uma pequena biblioteca. O espaço serve para que os pais possam ler para seus filhos, que ficam em muitos casos internados por meses se recuperando. 
No dia 19 de julho, fez um ano que a biblioteca transforma a vida dos pequenos. 

Um colo diferente, por Léla Mayer

Quando meu filho encontrava-se hospitalizado, sempre o acompanhava nas internações, além das roupas, fraldas e remédios, seu bonequinho de pano, seus DVDs musicais e seus livros preferidos. Apesar de toda limitação física, que lhe impossibilitava falar como outras crianças, ele conseguia se comunicar muito bem. A palavra, ainda que não fosse expressa verbalmente, estava nele, pois a linguagem sempre foi estimulada, através de diálogos, canções, histórias.
Sua última internação hospitalar durou 65 dias. Foram 65 dias de histórias e canções, de celebração da vida e partilha de afetos. Naqueles 65 dias, por mais difícil que fosse a sua situação, através dos vidros daquele imenso aquário que é uma UTI Pediátrica, eu partilhava da luta de outras mães e de outros bebês. Partilhava das lutas, das dores, das conquistas e das perdas. Muitas vezes olhava para aqueles bebês tão pequenos e tão frágeis. Olhava para seus pais, que esperaram tanto pelo momento de sua chegada, para pegar o filho no colo e acarinhar. E tudo que podiam fazer era olhar e sentir, raramente tocar.
No meu lado do aquário, quando me sentia impotente, eu cantava e contava histórias. Sabia que, quando a minha mão não podia tocar, minha voz podia. O tato é um sentido importante, quase sempre acarinhamos tocando a pele do outro. Mas a audição também é um sentido, assim como o paladar, a visão, o olfato. Contar histórias é um ato de carinho, um modo de cuidar, um laço que enlaça o bem querer entre duas ou mais pessoas.
Contar histórias, ler poesias, cantar canções, além de acarinhar os sentidos e aproximar as pessoas, podem produzir sentidos para a vida. Só temos certeza do aqui e agora, por isso, devemos saber viver o tempo presente do modo mais significativo, intenso e amoroso que podemos.
Naqueles 65 dias vivi intensamente o aqui e agora. Mas, era difícil ver outras mães sem poder tocar, alimentar, aconchegar seus pequenos. Foi então que pensei que se tivessem livros ao alcance das mãos, poderiam ler para seus bebês. Se, naquele momento, embalar no colo não era possível, poderiam embalar com palavras, com sons, com melodias. Histórias e poesias poderiam conectar pais e bebês de uma forma mais leve, ajudando a superar a dureza das horas dentro de uma UTI.
Foi assim que surgiu a ideia de um espaço para disponibilizar livros, portais para outros mundos, onde pais e bebês podem viver momentos mais leves e divertidos, onde o carinho e o embalo de um colinho podem chegar de outros modos, por outros sentidos, estreitando laços, fortalecendo vínculos.