Edição do dia 27/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Santa Cruz tem caso suspeito do novo coronavírus; o que preciso saber
GERAL
Casal cai de moto ao desviar de papelão
POLÍCIA
20ª Expoagro Afubra será lançada amanhã
GERAL
Primeiro caso é confirmado no Brasil
SAÚDE - Em Santa Cruz do Sul plano de contingência é apresentado
Conquista do Voto Feminino é celebrado no Brasil
GERAL
Santa-cruzense assume coordenação da ABSOLAR no RS
GERAL
Clube Xlise vai se engajar na campanha Ame Juju
GERAL
Lista de contemplados está disponível
EDUCAÇÃO
Unisc abre inscrições para Vestibular de Verão
GERAL
Centro de Especialidades do Hospital Santa Cruz oferece consultas pediátricas pelo IPE
SAÚDE
11 postos de saúde receberão câmaras de vacinas
SAÚDE
Novo Cemai deve ficar pronto em menos de um mês
GERAL
Linha Pintado: Ponte elevada é inaugurada
GERAL
Hospital Ana Nery: Serviço de genética médica deve ser inaugurado em abril
SAÚDE
Hospital Santa Cruz e Unisc formam nova turma
SAÚDE
APAE recebe cheque do Troco Solidário
GERAL
Aonde posso levar meus móveis inservíveis?
GERAL
ACI promove Café Empresarial com Marinês Kittel
GERAL

Após abertura de capital, desafio do Uber é se tornar lucrativo

Início da empresa de compartilhamento de caronas na Bolsa de Valores foi aquém do esperado, porém, a companhia segue investindo

EMPRESARIAL - 31/07/2019

Crédito: Divulgação

Entra governo e sai governo, e o transporte nas grandes cidades segue sendo um dos maiores desafios que as sociedades enfrentam em todo o mundo. Seja pela falta de infraestrutura no transporte público ou pelos altos preços praticados pelo transporte particular, é difícil mencionar alguma metrópole que tenha soluções de transporte a contento da população. No Brasil o problema é ainda mais grave. No entanto, com a chegada do Uber, andar de transporte particular passou a ser uma alternativa de fácil acesso.

O Uber surgiu em 2009, quando Garett Camp e Travis Kalanick participavam da conferência LeWeb, na França. Após o evento, ao precisarem retornar para o hotel, tiveram dificuldades para encontrar alguma opção de transporte público, um táxi e até mesmo um motorista particular. Foi então que pensaram que seria incrível poder, a um toque no celular, contratar o serviço de um motorista particular. O objetivo era facilitar e inovar a forma pela qual as pessoas se locomovem pelas cidades, inicialmente em São Francisco (EUA), com a utilização de veículos sedã. Foi assim que surgiu o Uber Black, primeiro produto da empresa.

Ao expandir-se pelo mundo, o Uber encontrou – e ainda encontra – inúmeros desafios. Inicialmente sem regulamentação nas cidades em que operava, o Uber colidiu de frente com o interesse de taxistas e ajudou a revolucionar as relações de trabalho na era digital. Afinal, com a economia em transformação, muita gente ficou sem trabalho formal em diversos lugares do mundo, especialmente nos Estados Unidos pós-crise de 2008. Não foi diferente no Brasil, que ainda vive uma profunda crise econômica. O Uber tornou-se não apenas uma alternativa para as pessoas se locomoverem como também uma opção de sustento para muitas famílias. 

Quem já utilizou o serviço certamente ouviu histórias de motoristas dos mais diversos tipos e formações. O aplicativo chegou ao Brasil em 2014. A primeira cidade a receber o serviço foi o Rio de janeiro, em maio. Em junho do mesmo ano, foi a vez da cidade de São Paulo, seguida por Belo Horizonte, em setembro. Atualmente, a Uber atua em mais de 100 cidades no Brasil, e o número segue crescendo. Além da expansão da malha urbana atendida pelo aplicativo, a empresa também tem buscado crescer em outros sentidos e, em abril de 2019, depois de concluir seu movimento de abertura de capital, o Uber chegou à Bolsa de Valores de Nova York com forte expectativa de lucro.

Uber ainda busca se adequar à realidade do mercado financeiro

A intenção era buscar um valor de mercado entre US$ 90 bilhões e US$ 100 bilhões para seu IPO (abertura de capital), influenciados pelo desempenho das ações da rival Lyft, que foi avaliada em US$ 24,3 bilhões na abertura de capital em março. Anteriormente, alguns bancos de investimento já tinham dito à Uber que o valuation da empresa poderia chegar a US$ 120 bilhões. A oferta foi coordenada pela consultoria Morgan Stanley e bancos como Goldman Sachs e Bank of America.

Porém, é praticamente unânime a opinião de que sua abertura de capital, ocorrida no dia 9 de maio, foi um fiasco. Para empresas avaliadas em mais de 10 bilhões de dólares, a abertura do Uber teve o quinto pior retorno nos últimos 24 anos, segundo os dados da plataforma de serviços financeiros Dealogic, com a ação caindo 7,6% no primeiro pregão e outros 7,1% no segundo. A expectativa dos executivos da companhia é de que haja uma melhora num futuro próximo. De fato, nos dias subsequentes à abertura, as ações da Uber tiveram alguma recuperação. Pequena, porém. Seu preço variou até chegar perto de 40 dólares, quase 11% abaixo da oferta inicial — que já era baixa.

Apesar do gigantismo, lucratividade do Uber ainda não veio

Apesar de ser o aplicativo de transporte mais popular do mundo, o Uber não gera lucro. Recentemente a companhia divulgou um prejuízo de US$ 1 bilhão no primeiro trimestre de 2019, e a situação não deve mudar em breve. De acordo com análises e executivos da própria companhia, a empresa ainda levará “alguns anos” para se tornar rentável.

O alto nível de competitividade do setor de transportes e o baixo retorno que o Uber recebe das transações são os principais motivos para as contas não saírem do vermelho. Além da rival norte-americana Lyft, a empresa também enfrenta a concorrência de empresas locais em grandes mercados, como a Ola, na Índia, e a chinesa Didi Chuxing.

O modelo de negócio baseado em quantidade também impede o fechamento positivo dos balanços financeiros. Mas o Uber já tem um plano para reverter o quadro - a companhia irá focar seus esforços no desenvolvimento de carros autônomos, apresentados como a grande virada para o mercado dos transportes para os próximos anos.