Edição do dia 18/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Lixo eletrônico será recolhido nos bairros
GERAL
Avenida já projeta amistoso contra o Passo Fundo
ESPORTES - Treinador quer diminuir os erros visando a estreia em março
Terreiro realiza festa de Yemanjá
RELIGIÃO
Mantenedora do CVV em Santa Cruz necessita de doações
SAÚDE
Quantas famílias são beneficiadas com aluguel social?
GERAL
Projeto também chega ao CRAS Beatriz
GERAL
Inscrições abertas para a oficina de costura
GERAL
Campanha incentiva doação de órgãos
SAÚDE
HSC abre edital para 2ª chamada da residência médica
SAÚDE
Corte a gordura, não corte os músculos
OPINIÃO
O Imposto do pecado (parte 2)
OPINIÃO
A vida é irônica
EDITORIAL
Amigos do Cinema retorna nesta terça-feira
VARIEDADES
Bailinho da Borges reúne 12 mil foliões
GERAL - Realizado no último sábado, 15, grande público marcou presença com fantasias e adereços carnavalescos
Concurso da prefeitura movimenta Santa Cruz
GERAL - Certame gerou grande fluxo de pessoas e focos de congestionamentos na cidade
NPOR incorpora novos alunos
GERAL - Cerimônia foi realizada na manhã de ontem no Pátio Duque de Caxias
Sinprom projeta ano letivo da categoria
EDUCAÇÃO
Atletas santa-cruzenses se destacam no litoral
ESPORTES

Dia do advogado: O pré-julgamento versus 'O princípio da presunção de inocência'

ESPECIAIS - 09/08/2019

Está claro na Constituição da República Federativa do Brasil no artigo 5º, inciso LVII, “Ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória”. Este é reconhecido como o princípio da presunção de inocência, porém jamais exercitado fora do ordenamento jurídico brasileiro.
Vivemos em um país onde, infelizmente, a grande massa é alienada pelos meios de comunicação visual e auditivas que expõe todos os fatos de forma narrada e fotografada para causarem a impressão daquilo que seus editores querem que a sociedade já comece a formar de opinião.
O ser humano, pela natureza já adulterada culturalmente diante do meio em que vive tem o instinto de pré-julgar os fatos que acontecem e quase sempre emitem opinião. Esta opinião pode ser entre amigos, nas relações de trabalho, ou mesmo nas escolhas que fazem dentro de suas atividades profissionais.
Exercer a advocacia, antes de tudo, deve fazer com que o pretenso advogado faça um reexame de todos os seus conceitos em relação há tudo que se apresenta e ao que está exposto o tempo todo por nos lugares que frequenta. Escolher defender seu cliente passa longe de fazer pré-julgamento dos atos praticados por este. O advogado é um defensor da justiça e da cidadania, já que a constituição diz que todos têm direito a defesa e não um julgador. Se assim quiser proceder, deve tentar o ingresso na magistratura.
Já o cidadão comum, alheio ao conhecimento e sujeito aos formadores de opinião, regozija-se quando pode antecipar o julgamento já dizendo que “isso ou a quilo” é “verdade ou mentira”, ou ainda “justo ou injusto”. Então, exercer a advocacia em tempos da liberdade de informação sem ter a grande população o necessário discernimento sobre princípios constitucionais do contraditório e ampla defesa, da presunção de inocência, do devido processo legal é profissão das mais árduas e extenuantes existentes. Além da litigância nos autos do processo não podemos nos “contaminar” com a opinião pública, por vezes distorcida de acordo com interesses dos mais diversos.
Por último, há que se ter sempre anunciado, de forma clara, que nossa profissão é das poucas que é de meio, e não de resultado e da qual ainda temos a liberdade plena de escolhermos no que e para quem vamos prestar o serviço. A verdadeira advocacia é a atividade que nos possibilita escolher quem e sobre o que vamos atuar, sobretudo se a finalidade for a promoção da justiça e esta pode ser feita já de forma preventiva.
O pré-julgamento não tem espaço para quem escolheu ser advogado.

Luiz C. Feldmann– Advogado – OAB/RS 110.603 [email protected] 51 2107 4849 - 51 99806 6565