Edição do dia 18/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

RGE na Praça estará em Santa Cruz nesta terça-feira
GERAL
Lixo eletrônico será recolhido nos bairros
GERAL
Avenida já projeta amistoso contra o Passo Fundo
ESPORTES - Treinador quer diminuir os erros visando a estreia em março
Terreiro realiza festa de Yemanjá
RELIGIÃO
Mantenedora do CVV em Santa Cruz necessita de doações
SAÚDE
Quantas famílias são beneficiadas com aluguel social?
GERAL
Projeto também chega ao CRAS Beatriz
GERAL
Inscrições abertas para a oficina de costura
GERAL
Campanha incentiva doação de órgãos
SAÚDE
HSC abre edital para 2ª chamada da residência médica
SAÚDE
Corte a gordura, não corte os músculos
OPINIÃO
O Imposto do pecado (parte 2)
OPINIÃO
A vida é irônica
EDITORIAL
Amigos do Cinema retorna nesta terça-feira
VARIEDADES
Bailinho da Borges reúne 12 mil foliões
GERAL - Realizado no último sábado, 15, grande público marcou presença com fantasias e adereços carnavalescos
Concurso da prefeitura movimenta Santa Cruz
GERAL - Certame gerou grande fluxo de pessoas e focos de congestionamentos na cidade
NPOR incorpora novos alunos
GERAL - Cerimônia foi realizada na manhã de ontem no Pátio Duque de Caxias
Sinprom projeta ano letivo da categoria
EDUCAÇÃO

Dia do advogado: O Princípio da Colaboração na Resolução de Conflitos

ESPECIAIS - 09/08/2019

A cada dia que passa tornam-se mais populares os métodos autocompositivos de solução de conflitos, ou seja, os métodos onde as próprias partes, com um pouco de bom senso e boa vontade e, não raro grandes doses de diálogo, resolvem suas controvérsias entre si, sem necessitar da figura “paternal” do poder judiciário. Dentre os mais conhecidos, no Direito Civil, estão a conciliação, a mediação e a arbitragem.

Nesta direção também caminha o Estado, que tenta cada vez mais desafogar o sistema judiciário de processos que, na maioria das vezes, não têm a real necessidade de ocupar o tempo e o conhecimento técnico e jurídico dos juízes, assoberbados como estão de processos que já perderam a sua razão de ser pela passagem do tempo ou pela insignificância do objeto.

Tal intuito ganhou força com o advento da Lei nº 13.140/2015, denominada lei de mediação, que dispõe sobre a mediação entre particulares como meio de solução de controvérsias e sobre a autocomposição de conflitos no âmbito da administração pública.

Os magistrados enfrentam anos de estudo constante e de abnegado esforço na prestação jurisdicional e precisam ter tempo e tranquilidade para apreciar aqueles processos que exigem uma dedicação bem maior, dado o seu nível de complexidade .

Não seria exagero dizer que a litigância exagerada dos dias de hoje, onde fatos simples tornam-se casos de polícia ou de questionamento processual, está desperdiçando recursos humanos e materiais preciosos e desviando a atenção de questões relevantes aos cidadãos.

Utilizando os meios autocompositivos na resolução dos problemas cotidianos, estamos não só exercendo a nossa cidadania, mas também dando espaço e tempo para que o poder judiciário, na figura dos seus juizes e colegiados, ocupem-se de temas de maior relevância social.

O Novo Código de Processo Civil Brasileiro estabelece, já nos seus artigos iniciais, que nenhuma ameaça ou lesão a direito fique sem a apreciação jurisdicional, e determina que os cidadãos, titulares de direitos e deveres, devem cooperar entre si para que se obtenha, em tempo razoável, decisão justa e efetiva.

Por outro lado, quando a apreciação do magistrado não for imprescindível, o CPC não só permite, como estimula a utilização dos meios autocompositivos para a solução consensual dos conflitos. E vai além, determina que estes meios sejam estimulados por juízes, advogados, defensores públicos e membros do Ministério Público, inclusive no curso do processo judicial.

A autocomposição de conflitos permite aos envolvidos uma solução mais rápida e equilibrada, com menor custo financeiro, e que aborde as questões mais subjetivas. Ao mesmo tempo permite aos operadores do direito, que se dediquem aos casos que exigem maior atenção, agindo com maior eficiência e produtividade com o mínimo dispêndio de tempo e de recursos.

O novo código nos traz assim a ideia de que jurisdição não pode mais ser compreendida apenas como a atividade exclusivamente estatal, trazendo a figura dos auxiliares da justiça, entre eles conciliador e mediador, devendo estes necessariamente estar preparados e treinados pelo poder judiciário para exercer função primordial da auto composição, que é conduzir o processo para estabelecer, ou restabelecer, o diálogo e o entendimento entre as partes.

Assim, buscando a cooperação de todos como padrão de conduta, intenta-se não apenas a produção do acordo entre as partes, mas também a prevenção de novos conflitos e a pacificação social.

Ana Heinrich Advogada - OAB/RS 10.2708