Edição do dia 24/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brigada Militar prende suspeito com animal abatido
POLÍCIA
Saboreares: opção de qualidade o ano inteiro
EMPRESARIAL
Mecânica do Fernando: há nove anos prestando serviços de qualidade
EMPRESARIAL
Sabores deliciosos é na CremoLatto Sorvetes
EMPRESARIAL
O que você precisa saber sobre vagas para idosos e deficientes
GERAL
Cepru Unisc: Inscrições para Instrutor de Trânsito estão abertas
GERAL
Vegetação na Av. do Imigrante obstrui visão de motoristas
GERAL - Apesar de todo embelezamento, cidadãos reclamam que plantas prejudicam o trânsito
Mais seis escolas da rede municipal estão sendo revitalizadas
EDUCAÇÃO - Pintura interna e externa, aquisição de mobiliário, reforma nas quadras esportivas, instalação de playground, entre outros serviços estão sendo realizados
Vestibular solidário da Uninter ajuda escolas carentes
GERAL
Exposição fotográfica do Capsia está sendo realizada no Shopping Santa Cruz
VARIEDADES
O que o Novo Cemai terá de diferente?
SAÚDE
Campanha visa arrecadar material escolar
GERAL - Criada por um grupo de torcedores do Inter, ação se estende até o dia 15 de fevereiro
Brinqmania realiza festa beneficente para Juju
GERAL
Segunda edição do Bailinho da Borges está confirmada
VARIEDADES - O evento será realizado dia 15 de fevereiro, na Rua Borges do Medeiros
Literatura Brasileira dos Catarinenses
OPINIÃO
MP denuncia mais um vereador por 'rachadinha'
POLÍTICA - Alceu Crestani (PSDB) também teria mantido um funcionário fantasma em Monte Alverne
Aproveite seu verão no Park Nativo
GERAL
Novo valor da passagem gera controvérsia
ECONOMIA - Promotor de Defesa Comunitária vê espaço para cálculo com tarifa menor

Dia do advogado: O Sistema Tributário Brasileiro e as propostas de modernização

ESPECIAIS - 09/08/2019

A economia mundial tem sido alvo de diversas mudanças, dada a intensa integração entre os mercados, portanto é inaceitável que o crescimento econômico de um pais seja limitado em razão de um sistema tributário burocrático. Por isso há um sentimento na sociedade Brasileira de que a reforma tributária se tornou indispensável para o desenvolvimento e produtividade do Brasil.

O Brasil, em um ranking de 189 países, é o trigésimo que mais cobra impostos no mundo, destes países, o pior IDH (índice de desenvolvimento humano) é o do próprio Brasil. Ademais, existe uma excessiva oneração sobre os mais pobres, que chega a contribuir com 30% da sua renda.

Frisa-se que, quando se fala em Reforma Tributária, existem alguns pontos que são alvos de discussões há quase 30 anos, como a redução de alíquotas das corporações; aumento da participação de impostos sobre consumo em detrimento de impostos sobre a renda e diminuição do número de alíquotas e de seu valor marginal máximo no imposto de renda da pessoa física.

A PEC 293/2004, após 15 anos, parece estar querendo dar seus primeiros passos. A proposta traz mudanças significativas para o Sistema Tributário Nacional, como a unificação de 8 tributos federais (IPI, IOF,CSLL, PIS, Pasep, Cofins, Salário-Educação e Cide-Combustíveis), o ICMS (estadual) e o ISS (municipal). No lugar desses tributos seria criado um imposto sobre valor agregado, que se chamará o Imposto sobre operações com Bens e Serviços (IBS), tendo, ainda um imposto de bens e serviços específicos, considerado seletivo, de competência estadual.

A reforma propõe que o IBS seja um imposto sobre valor agregado, incidente sobre o consumo, ou seja, bens e serviços, e que deve ser marcado por: não-cumulatividade, crédito financeiro, alíquota única em todo o país (salvo produtos excepcionais) e sua arrecadação deve ser integralmente alocada para o Estado de destino, por meio de uma fiscalização centralizada em um “super-fisco”. A ideia é que os estados sejam os sujeitos ativos do IBS, mas União e municípios partilhariam das receitas. Propõem-se ainda, criar o Imposto Seletivo (IS), que seria um tributo de competência federal, monofásico e extrafiscal incidente sobre produtos e serviços específicos.

Ocorre que, no tocante as mudanças que estão pauta, existem grandes discussões em torno de seus reais efeitos para economia e desenvolvimento do país, visto que para alguns especialistas, isso implicaria em um arriscado acúmulo de poder econômico.

Sendo assim, pode-se constatar a delicadeza do assunto abordado, na medida em que a reforma tributária no Brasil é um assunto urgente, no entanto não se trata de uma tarefa fácil acomodar todos os setores interessados e envolvidos na reforma. Porém, apesar de todas as dificuldades expostas para realizar a reforma tributária, tornou-se consensual a necessidade de mudança do sistema. A solução encontra-se em um caminho que torne o sistema mais justo e eficiente, e, ao mesmo tempo, não diminua a carga global.

A verdade é que uma Reforma eficaz para ser aceita, enfrentaria barreiras de ambas as partes, uma vez que os interesses de cada camada social colidem diretamente: enquanto os empresários buscam – com razão –, a diminuição da carga tributária a fim de aumentar o fluxo das empresas para investir no próprio negócio, a viabilização dessa medida implicaria diretamente na oneração dos cidadãos em geral, a fim de manter o custeio dos serviços públicos.

Por outro viés, a reforma tributária para ser justa, precisa coroar os princípios básicos do direito tributário, perfeitamente delineados com o que preceitua a Constituição Federal, que visa assegurar os direitos de cada pessoa, seja ela física ou jurídica, de acordo com sua capacidade de contribuição.

Evidente que é precoce aprofundar a discussão da reforma, na medida em que muitas informações ainda não vieram a público, bem como, não dependem apenas do Presidente, e sim de votação da Câmara e do Senado. Ademais, dos 52 (cinquenta e dois) Deputados que aprovaram o projeto, apenas 13(treze) se reelegeram e dentre estes, inclusive, não está o Relator da PEC, Deputado Luiz Carlos Hauly.

Por isso, diante de tantas incertezas, conclui-se que o mais urgente é gerir os gastos público, investindo de maneira coerente a verba arrecadada, desenvolvendo políticas públicas eficazes. Enfim, promover uma redistribuição de renda em benefício do país, pois se a população recebesse a contrapartida de TODOS os impostos pagos, certamente não haveria tanta indignação com a carga tributária.

Mariana Kliemann a Campis – Advogada OAB/RS 94.978