Edição do dia 17/09/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Conselho lança o Polo dos Vales
GERAL
ENTRE QUATRO: Encenação acontece hoje e amanhã
VARIEDADES
RECEITA FEDERAL: Nova sede atenderá a partir de 8 de outubro
GERAL - Além da Delegacia da Receita Federal, a Procuradoria Geral da Fazenda também deve ocupar o espaço
Fentifumo inicia pauta de negociação
GERAL - Primeira reunião com a Federação e os Sindicatos ocorre na próxima quinta-feira
Otelio Drebes realiza palestra a professores
EDUCAÇÃO
Semana do Ministério Público começa hoje
GERAL - Promotores do caso Bernardo Boldrini estarão presentes
Reunião sobre Plantas Biotivas inicia hoje
GERAL
Prefeitura lança Alvará Digital
GERAL - A partir de agora, o documento pode ser feito em poucas horas, sem precisar sair de casa
Educar-se e Centro de Línguas promovem imersão bilíngue
EDUCAÇÃO
Sincotec-Varp realiza capacitação nesta quarta
GERAL
Projeto vai apresentar Santa Cruz e a 35ª Oktoberfest
VARIEDADES - Nos dois sábados da Festa da Alegria, ônibus sairão de Porto Alegre, Caxias do Sul e Santa Maria
Presidente dos Festejos Farroupilhas destaca a importância da cultura gaúcha
VARIEDADES
Tchê Bistrô e Arte: enaltecendo a tradição gaúcha
VARIEDADES
A força buscada nos versos
VARIEDADES
Cavalos passarão por inspeção antes do desfile
VARIEDADES - Além da Guia de Transporte Animal (GTA), será exigida apresentação de comprovantes para verificar as condições de saúde do animal
CTG de Paredão entregará 500kg em doações
VARIEDADES
Segurança Pública será reforçada em 36 municípios
POLÍCIA - Municípios da região receberão um total de aproximadamente R$ 2 milhões
Assaf vai encarar a Assoeva nas quartas de final
ESPORTES

Mourão: 'o Brasil precisa mudar'

Vice-presidente da República, Hamilton Mourão, esteve em Santa Cruz do Sul na última terça-feira

POLÍTICA - 09/08/2019

Palestra ocorreu no Restaurante do Hotel Águas Claras HigienópolisPalestra ocorreu no Restaurante do Hotel Águas Claras Higienópolis Crédito: Viviane Fetzer

Viviane Scherer Fetzer
jornalismo@riovalejornal.com.br

Foi com essa frase que o vice-presidente da República do Brasil, Antonio Hamilton Martins Mourão, iniciou sua palestra-almoço para o Projeto Gerir – Workshops de Gestão Organizacional, iniciativa da Gazeta Grupo de Comunicações que aconteceu no Hotel Águas Claras Higienópolis, nesta terça-feira, 6 de agosto. O evento reuniu mais de 180 convidados. Segundo ele, “o Brasil precisa mudar e temos um duplo desafio para isso, que será resgatar o país da recessão econômica e entender a nova realidade global”. 
O vice-presidente explicou que ninguém tem dúvida do grande porte do país, mas sim da dificuldade que é transformar ele em uma potência. Citou as favelas em que o Estado não chega, mas o traficante paga tudo e comanda até o ir e vir das pessoas, “se não buscarmos a solução para esse problema social, será um eterno enxugar de gelo na luta contra o crime organizado. Nós, como governo temos que entender isso em todos os níveis”. 
A crise, segundo Mourão, não é só do Brasil, “é uma crise psicossocial centrada nessa instabilidade mundial que afeta também a juventude, que muda a sociedade em seu modo de se relacionar e, essa mudança está afetando”. Já em relação à crise política, ele aponta como um grande problema a fragmentação partidária do país, tendo 26 partidos dentro da Câmara dos Deputados. “Precisamos fortalecer o sistema partidário, o partido tem que representar efetivamente o pensamento de parcela da população, se isso não mudar será um eterno problema para qualquer governante, mas o que é preciso deixar claro é que o Congresso nunca foi tão livre, para produzir aquilo que é de interesse da nação, como é hoje”. 
A crise econômica brasileira foi apresentada e segundo o vice-presidente, é uma tempestade. “Ela começou com a Constituição de 1988, previu uma série de despesas e não previu as receitas, foi quando o então presidente José Sarney disse ‘o país ficará ingovernável’, a conta chegou senhoras e senhores”. A partir disso, o vice-presidente apresentou os motivos que levaram o Brasil a chegar a essa crise econômica, como o Plano Real em que se buscou equilibrar receitas e despesas através do ajuste fiscal e do equilíbrio das contas. Depois com o aumento dos impostos elevando o PIB de 25% a 31%, e que hoje está em 33% e “faz com que todos nós andamos curvados sob o peso dessa carga de 33%, porque se pagássemos isso de impostos, mas tivéssemos estradas alemãs, hospitais suíços e escolas britânicas estaríamos todos satisfeitos. Mas não, pagamos tudo isso e não recebemos nada em troca do Estado”. Apontou os erros cometidos pelos governos Lula e Dilma em que se criou uma nova matriz econômica, segundo a apresentação do vice-presidente, baseada no endividamento, na valorização do câmbio, nas desonerações que hoje são em torno de R$250 bilhões, redução de juros por decreto. “Tudo isso levou a uma escalada da dívida pública que hoje beira os 80% do PIB, também entrou a contabilidade criativa, as pedaladas e o déficit fiscal foi escalonado geograficamente”.
Mourão apresentou ainda que desde 2014 o Brasil está no vermelho e que se tudo correr bem no próximo ano a previsão é que se chegue a R$-40 bilhões, um número significativo em relação ao de 2019 que é de R$139 bilhões. Citando Machado de Assis que fala que ‘quando alguém tem a vocação da riqueza, mas sem a vocação do trabalho, a resultante desses dois impulsos vai ser uma só, dívida’. “O aumento extraordinário da dívida pública é resultado de um arranjo baseado na expansão do consumo e no aumento do gasto público apelando ao mercado para se financiar”.

Como isso será resolvido

Conforme o vice-presidente tudo começou na eleição de 2018 em que um movimento dentro do país passou por cima do que a grande imprensa formadora de opinião estava apresentando. “Estamos buscando o nosso orgulho como nação. Nosso compromisso é reestabelecer a confiança no país e nas instituições. E retomar o crescimento e fortalecer a segurança pública”. 
Para isso foram apresentados dois problemas estruturais da nossa economia, o ajuste fiscal e a produtividade. “Vamos reajustar as contas públicas com a nova previdência, porque nós ficamos mais velhos, tem menos gente ingressando no mercado de trabalho, aquele pacto de gerações em que os mais novos trabalham para garantir a aposentadoria dos mais velhos, está rompido. Se não fizermos nada a geração de filhos e netos vai olhar para nós e dizer o seguinte: onde vocês estavam que não enfrentaram isso aí?” Ele ainda salientou que a aprovação da reforma foi exaustiva, pois as negociações duraram mais de cinco meses e que se nada for feito agora, no último ano de governo só serão pagos salários, porque não vai ter dinheiro para pagar papel, água, luz e outras contas. 
A busca pela desburocratização também é incessante neste governo, “temos que privatizar e conceder, privatizar tudo aquilo que é ineficiente. Vamos vender, fechar, fazer abertura para o mercado de ações e vamos fazer as concessões de aeroportos, estradas, terminal portuário, linhas de transmissão, trazer a iniciativa privada por meio do programa de parceria e investimentos. Só assim a gente consegue dar uma destravada no gargalo da infraestrutura, óbvio que tem alguns investimentos que só o estado pode fazer, por isso, nós precisamos daquele espaço fiscal para que o Estado recupere a sua capacidade de investir”. 
“O nosso sistema tributário é um manicômio. Nós temos tributos federais, tributos estaduais e tributos municipais, tem 5.570 municípios no Brasil, cada um tem a sua legislação. Esse sistema custa R$70 bilhões por ano para o estado e para as empresas, para ser mantido”, afirmou o vice deixando claro que é preciso enxugar esse sistema, mesmo que seja um processo complicado por serem muitos interesses em jogo, mas que já está sendo traçado um plano e logo será aprovado, solucionando os problemas. 

O Brasil no mundo

Citando suas viagens a Washington (EUA) e Pequim (China), o General Mourão afirmou que viu um grande interesse pelo que está acontecendo no Brasil, “nesse contexto de acirramento de tensões geopolíticas nós temos que ser pragmáticos e flexíveis. Perseguir os nossos interesses, os interesses brasileiros e não interesses estrangeiros. O êxito internacional precisa ser conquistado aqui dentro do Brasil. Precisamos recolocar o país no caminho do desenvolvimento”. 
Segundo ele, o Brasil não é o culpado pela situação do meio ambiente mundial e os brasileiros precisam rebater a afirmação de que a Amazônia está terminando, “quem trabalha com a terra preserva a sua terra porque sabe que dali sai o seu ganha-pão’.
O vice-presidente apresentou ainda os pilares da civilização ocidental e as ações do atual governo para recuperar o país e finalizou dizendo que “todos nós temos que mudar, entender nossa responsabilidade e o nosso papel nesse mundo de hoje”.