Edição do dia 15/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

CTG Tiarayu é o grande campeão do Enart
VARIEDADES - Candeeiro da Amizade, de Vera Cruz, venceu a força B
CTG Lanceiros evidencia os direitos da Mulher
VARIEDADES
Inicia mais um Enart
GERAL - A 34ª edição do evento reúne em Santa Cruz do Sul os apaixonados pela cultura gaúcha
ACI: Gabriel Borba é aclamado presidente
GERAL - Ele estará à frente da entidade junto com o vice, César Cechinato, para o biênio 2020-2021
Copa Lisaruth 20 anos tem segunda rodada
ESPORTES
Cestinha Sesi/Unisc disputa o 2º turno das semifinais
ESPORTES
O Avenida ainda não confirmou a sua participação na Divisão de Acesso
ESPORTES
Dia de confirmar classificação
ESPORTES
Regional 2019: Fim de semana tem clássico em Vale do Sol
ESPORTES
Solled Energia ganha o principal prêmio brasileiro do setor
EMPRESARIAL
Secult abre novo prazo para cadastro de entes culturais
VARIEDADES
Marista São Luís é destaque e traz prêmios a Santa Cruz Do Sul
ESPORTES - Somente no Maristão, realizado em Porto Alegre, Colégio conquistou sete premiações
Excelsior: Casa do Cliente foi inaugurada
EMPRESARIAL
Por mês, operação do Rapidinho gera 94 mil advertências
GERAL - Valores ficam pendentes no sistema e precisam ser regularizados pelos usuários
Disputa das finais inicia neste sábado
ESPORTES - Campeões serão conhecidos após jogos de ida e volta nas categorias veterano, feminino e livre
Saúde recebe R$ 150 mil da Câmara
SAÚDE
Mostra do Cerest tem trabalho desenvolvido em Novo Cabrais
GERAL
Palestra debate o Direito sucessório do cônjuge e da união estável
GERAL

Mourão: 'o Brasil precisa mudar'

Vice-presidente da República, Hamilton Mourão, esteve em Santa Cruz do Sul na última terça-feira

POLÍTICA - 09/08/2019

Palestra ocorreu no Restaurante do Hotel Águas Claras HigienópolisPalestra ocorreu no Restaurante do Hotel Águas Claras Higienópolis Crédito: Viviane Fetzer

Viviane Scherer Fetzer
[email protected]

Foi com essa frase que o vice-presidente da República do Brasil, Antonio Hamilton Martins Mourão, iniciou sua palestra-almoço para o Projeto Gerir – Workshops de Gestão Organizacional, iniciativa da Gazeta Grupo de Comunicações que aconteceu no Hotel Águas Claras Higienópolis, nesta terça-feira, 6 de agosto. O evento reuniu mais de 180 convidados. Segundo ele, “o Brasil precisa mudar e temos um duplo desafio para isso, que será resgatar o país da recessão econômica e entender a nova realidade global”. 
O vice-presidente explicou que ninguém tem dúvida do grande porte do país, mas sim da dificuldade que é transformar ele em uma potência. Citou as favelas em que o Estado não chega, mas o traficante paga tudo e comanda até o ir e vir das pessoas, “se não buscarmos a solução para esse problema social, será um eterno enxugar de gelo na luta contra o crime organizado. Nós, como governo temos que entender isso em todos os níveis”. 
A crise, segundo Mourão, não é só do Brasil, “é uma crise psicossocial centrada nessa instabilidade mundial que afeta também a juventude, que muda a sociedade em seu modo de se relacionar e, essa mudança está afetando”. Já em relação à crise política, ele aponta como um grande problema a fragmentação partidária do país, tendo 26 partidos dentro da Câmara dos Deputados. “Precisamos fortalecer o sistema partidário, o partido tem que representar efetivamente o pensamento de parcela da população, se isso não mudar será um eterno problema para qualquer governante, mas o que é preciso deixar claro é que o Congresso nunca foi tão livre, para produzir aquilo que é de interesse da nação, como é hoje”. 
A crise econômica brasileira foi apresentada e segundo o vice-presidente, é uma tempestade. “Ela começou com a Constituição de 1988, previu uma série de despesas e não previu as receitas, foi quando o então presidente José Sarney disse ‘o país ficará ingovernável’, a conta chegou senhoras e senhores”. A partir disso, o vice-presidente apresentou os motivos que levaram o Brasil a chegar a essa crise econômica, como o Plano Real em que se buscou equilibrar receitas e despesas através do ajuste fiscal e do equilíbrio das contas. Depois com o aumento dos impostos elevando o PIB de 25% a 31%, e que hoje está em 33% e “faz com que todos nós andamos curvados sob o peso dessa carga de 33%, porque se pagássemos isso de impostos, mas tivéssemos estradas alemãs, hospitais suíços e escolas britânicas estaríamos todos satisfeitos. Mas não, pagamos tudo isso e não recebemos nada em troca do Estado”. Apontou os erros cometidos pelos governos Lula e Dilma em que se criou uma nova matriz econômica, segundo a apresentação do vice-presidente, baseada no endividamento, na valorização do câmbio, nas desonerações que hoje são em torno de R$250 bilhões, redução de juros por decreto. “Tudo isso levou a uma escalada da dívida pública que hoje beira os 80% do PIB, também entrou a contabilidade criativa, as pedaladas e o déficit fiscal foi escalonado geograficamente”.
Mourão apresentou ainda que desde 2014 o Brasil está no vermelho e que se tudo correr bem no próximo ano a previsão é que se chegue a R$-40 bilhões, um número significativo em relação ao de 2019 que é de R$139 bilhões. Citando Machado de Assis que fala que ‘quando alguém tem a vocação da riqueza, mas sem a vocação do trabalho, a resultante desses dois impulsos vai ser uma só, dívida’. “O aumento extraordinário da dívida pública é resultado de um arranjo baseado na expansão do consumo e no aumento do gasto público apelando ao mercado para se financiar”.

Como isso será resolvido

Conforme o vice-presidente tudo começou na eleição de 2018 em que um movimento dentro do país passou por cima do que a grande imprensa formadora de opinião estava apresentando. “Estamos buscando o nosso orgulho como nação. Nosso compromisso é reestabelecer a confiança no país e nas instituições. E retomar o crescimento e fortalecer a segurança pública”. 
Para isso foram apresentados dois problemas estruturais da nossa economia, o ajuste fiscal e a produtividade. “Vamos reajustar as contas públicas com a nova previdência, porque nós ficamos mais velhos, tem menos gente ingressando no mercado de trabalho, aquele pacto de gerações em que os mais novos trabalham para garantir a aposentadoria dos mais velhos, está rompido. Se não fizermos nada a geração de filhos e netos vai olhar para nós e dizer o seguinte: onde vocês estavam que não enfrentaram isso aí?” Ele ainda salientou que a aprovação da reforma foi exaustiva, pois as negociações duraram mais de cinco meses e que se nada for feito agora, no último ano de governo só serão pagos salários, porque não vai ter dinheiro para pagar papel, água, luz e outras contas. 
A busca pela desburocratização também é incessante neste governo, “temos que privatizar e conceder, privatizar tudo aquilo que é ineficiente. Vamos vender, fechar, fazer abertura para o mercado de ações e vamos fazer as concessões de aeroportos, estradas, terminal portuário, linhas de transmissão, trazer a iniciativa privada por meio do programa de parceria e investimentos. Só assim a gente consegue dar uma destravada no gargalo da infraestrutura, óbvio que tem alguns investimentos que só o estado pode fazer, por isso, nós precisamos daquele espaço fiscal para que o Estado recupere a sua capacidade de investir”. 
“O nosso sistema tributário é um manicômio. Nós temos tributos federais, tributos estaduais e tributos municipais, tem 5.570 municípios no Brasil, cada um tem a sua legislação. Esse sistema custa R$70 bilhões por ano para o estado e para as empresas, para ser mantido”, afirmou o vice deixando claro que é preciso enxugar esse sistema, mesmo que seja um processo complicado por serem muitos interesses em jogo, mas que já está sendo traçado um plano e logo será aprovado, solucionando os problemas. 

O Brasil no mundo

Citando suas viagens a Washington (EUA) e Pequim (China), o General Mourão afirmou que viu um grande interesse pelo que está acontecendo no Brasil, “nesse contexto de acirramento de tensões geopolíticas nós temos que ser pragmáticos e flexíveis. Perseguir os nossos interesses, os interesses brasileiros e não interesses estrangeiros. O êxito internacional precisa ser conquistado aqui dentro do Brasil. Precisamos recolocar o país no caminho do desenvolvimento”. 
Segundo ele, o Brasil não é o culpado pela situação do meio ambiente mundial e os brasileiros precisam rebater a afirmação de que a Amazônia está terminando, “quem trabalha com a terra preserva a sua terra porque sabe que dali sai o seu ganha-pão’.
O vice-presidente apresentou ainda os pilares da civilização ocidental e as ações do atual governo para recuperar o país e finalizou dizendo que “todos nós temos que mudar, entender nossa responsabilidade e o nosso papel nesse mundo de hoje”.