Edição do dia 13/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Santa Cruz perde Arno Frantz
GERAL - Ex-prefeito da cidade faleceu na manhã de ontem, de uma parada respiratória
Obrigado, "seu Arno"
EDITORIAL
Pagamento do IPVA com desconto começa dia 17 de dezembro
ECONOMIA
Aulas deverão ser concluídas somente em 2020
EDUCAÇÃO
Senac-RS lança edital para distribuição de vagas gratuitas
GERAL
Lei Geral de Proteção de Dados é tema de evento
GERAL
Novo Cabrais: Quadra de esportes da Linha São João é inaugurada
ESPORTES - Local foi construído pela prefeitura municipal, através de uma emenda parlamentar de Luiz Carlos Heinze
Novo Cabrais: Programação de Natal ocorre nesta sexta-feira
VARIEDADES - Evento contará com diversas atrações no Centro Desportivo Municipal
Novo Cabrais: Projeto sobre meio ambiente é desenvolvido na Teófilo
GERAL
Receita Estadual entrega dados de sonegação ao Ministério Público do RS
ECONOMIA
Saque imediato do FGTS
GERAL - Bolsonaro sanciona lei que aumenta limite
TSE aprova normas para eleição municipal de 2020
GERAL
NAAC realiza o 1º Seminário de Tradutores e intérpretes de Libras
GERAL
Christkindfest: Desfile Natalino é destaque no fim de semana
VARIEDADES
Senac inscreve para curso de Design
GERAL
Christkindfest 2019: Espetáculo Alma Única no dia 18 de dezembro
VARIEDADES
RGE investiu R$ 45,7 milhões no Vale do Rio Pardo
ECONOMIA
Escolas da região doam materiais
EDUCAÇÃO

Um Sínodo para a Amazônia: Por que sim?

OPINIÃO - 20/08/2019

Nos dias 6 a 27 de outubro acontecerá, em Roma, o Sínodo dos Bispos sobre “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. 
Visto com desconfiança pelos homens do atual governo e por pessoas a ele ligadas, muitos já se manifestaram sobre o Sínodo. Excetuando alguns cardeais, a maioria das manifestações foi feita sem conhecimento de causa do que é, realmente, um Sínodo dos Bispos.
A palavra “Sínodo” é originária do grego: syn (juntos); hodos (caminho). Significa, portanto, “fazer juntos o caminho”. Assim, o Sínodo dos Bispos pode ser definido como uma reunião de bispos com o Papa no intuito de discutir algum assunto especial. Ele foi instituído por Paulo VI logo após o Concílio Vaticano II em 1965, “para favorecer a colaboração dos bispos na busca de soluções para questões relativas à missão da Igreja”. Até o momento foram realizados 25 Sínodos, sendo que o último aconteceu em outubro de 2018 e abordou a temática da juventude.
Na convocação do Sínodo para a Amazônia em 2017, o Papa Francisco afirmou que o objetivo é “encontrar novos caminhos para a evangelização daquela porção do Povo de Deus, sobretudo dos indígenas, muitas vezes esquecidos e sem perspectiva de um futuro sereno, também por causa da crise da floresta amazônica, pulmão de importância fundamental para o nosso planeta”. 
Participarão do Sínodo todos os bispos das dioceses limítrofes da Amazônia, que incluem o Brasil, Suriname, Guiana Inglesa, Guiana Francesa, Venezuela, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia, mais sacerdotes, religiosos, leigos envolvidos no tema e representantes da Cúria Romana. Os principais interlocutores serão os 390 povos indígenas que vivem na região.
Desde a convocação em 2017, estão acontecendo estudos, reuniões e pesquisas. Em visita ao Peru em janeiro de 2018, o Papa Francisco fez questão de participar de um destes encontros com indígenas em Porto Maldonado, no intuito de escutar os seus clamores e manifestar-lhes o apoio da Igreja. Em abril do mesmo ano foi lançado um questionário com 30 perguntas para os “povos, comunidades, aldeias e lideranças que vivem na Amazônia, para que cada um possa dar sua contribuição ao Sínodo”. A partir de lá, conforme diz Irmã Luzinete do CIMI de Manaus, o Sínodo já está acontecendo. “As comunidades estão sentando, discutindo e pensando um novo jeito de ser Igreja na Amazônia. A esperança é ver as comunidades se dando conta de que nós, a Amazônia, somos uma realidade particular, e a Igreja assumir isso levando em conta a cultura, o diferente aqui da Amazônia”. 
Em entrevista ao jornal italiano Stampa no dia 8 de agosto, o Papa Francisco disse que o Sínodo da Amazônia só pode ser entendido por quem leu a encíclica Laudato Si, “escrita no intuito de proteger a Criação”. E justificou o foco na Amazônia: “É um lugar representativo e decisivo. Junto com os oceanos, ele contribui de modo determinante para a sobrevivência do planeta. Grande parte do oxigênio que respiramos vem de lá. É por isso que o desmatamento significa matar a humanidade. Além disso, a Amazônia envolve nove Estados, portanto não diz respeito a uma única nação. E eu penso na riqueza da biodiversidade amazônica, vegetal e animal: é maravilhosa”. Na mesma linha, Dom Neri José Tondello, bispo de Juína, MT e membro do Conselho Pré-Sinodal em entrevista ao Brasil de Fato, afirmou que sabemos da importância que a Amazônia tem para o mundo, “mas também sabemos das fragilidades que vem enfrentando, sobretudo nos últimos tempos. O Sínodo quer ajudar a pensar a Casa Comum que é a Amazônia”.
Por tudo isso devemos apoiar a realização deste Sínodo. E eu, particularmente, penso que ele vai ajudar a aprofundar a consciência ambiental e indicar novos caminhos para a evangelização, não só da região Amazônica, mas para a Igreja como um todo.

Pe. Roque Hammes
Assessor de Comunicação da Diocese