Edição do dia 24/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brigada Militar prende suspeito com animal abatido
POLÍCIA
Saboreares: opção de qualidade o ano inteiro
EMPRESARIAL
Mecânica do Fernando: há nove anos prestando serviços de qualidade
EMPRESARIAL
Sabores deliciosos é na CremoLatto Sorvetes
EMPRESARIAL
O que você precisa saber sobre vagas para idosos e deficientes
GERAL
Cepru Unisc: Inscrições para Instrutor de Trânsito estão abertas
GERAL
Vegetação na Av. do Imigrante obstrui visão de motoristas
GERAL - Apesar de todo embelezamento, cidadãos reclamam que plantas prejudicam o trânsito
Mais seis escolas da rede municipal estão sendo revitalizadas
EDUCAÇÃO - Pintura interna e externa, aquisição de mobiliário, reforma nas quadras esportivas, instalação de playground, entre outros serviços estão sendo realizados
Vestibular solidário da Uninter ajuda escolas carentes
GERAL
Exposição fotográfica do Capsia está sendo realizada no Shopping Santa Cruz
VARIEDADES
O que o Novo Cemai terá de diferente?
SAÚDE
Campanha visa arrecadar material escolar
GERAL - Criada por um grupo de torcedores do Inter, ação se estende até o dia 15 de fevereiro
Brinqmania realiza festa beneficente para Juju
GERAL
Segunda edição do Bailinho da Borges está confirmada
VARIEDADES - O evento será realizado dia 15 de fevereiro, na Rua Borges do Medeiros
Literatura Brasileira dos Catarinenses
OPINIÃO
MP denuncia mais um vereador por 'rachadinha'
POLÍTICA - Alceu Crestani (PSDB) também teria mantido um funcionário fantasma em Monte Alverne
Aproveite seu verão no Park Nativo
GERAL
Novo valor da passagem gera controvérsia
ECONOMIA - Promotor de Defesa Comunitária vê espaço para cálculo com tarifa menor

A sociedade adoeceu, ou o ser humano perdeu o sentido da dor?

ESPECIAIS - 27/08/2019

Nos dias atuais, pensar na existência humana e chegar às profundezas de um pensamento pode ser algo visto apenas em romances de livros ou filmes fantásticos, que tratam a natureza humana como forma sublime da alma, da essência ou do amor, este último ainda visto como forma sadia das paixões mundanas, dos eloquentes desejos que estruturam a vontade e a natureza impulsiva de nossas aptidões humanas e animais em sua essência. 
O que nos transparece dentro do cenário social presente neste país, retrata muito bem um ponto crítico fragilizado, intolerante e massificado por uma corrente de ideias revestidas por um caráter resistente frente à ciência, onde tudo que demonstra aplicação científica parece recair frente ao julgamento de outra força, frente ao acaso de um “achismo newage”, uma força a ser estudada, pois surge diante da natureza de falsas opressões, em um cenário onde até mesmo a lógica racional dos elementos da vida e da existência recomeça a ser duvidada. 
Vivemos a certeza das incertezas neste momento, como historicamente se faz presente, nestes momentos abrem-se novos espaços para novos salvadores, novos agentes de transformação social, novas políticas, novas e velhas configurações familiares retomam ao semblante da sociedade, enfim, o triste espelho de um passado saudoso para poucos retoma, como via de regra, sobre a tutela de novos moralismos, de novas privações para o ser humano buscar o caminho de ser humano. 
Por muitos séculos a lógica sempre foi a mesma, a busca incessante pela cultura, combatendo a natureza como via de regra para favorecer o progresso, nos dias de hoje é mais do que necessário pararmos para refletir sobre a ótica do reverso, do paradoxo das constantes desconstruções humanas, de uma lado fenômenos que regem nossas relações, como o capital financeiro, as relações do trabalho, a ciência e as instituições sociais, todos eles enfraquecidos ou confusos socialmente, cada vez mais distantes da cultura cotidiana em nosso país. 
E por outro lado compare com o adoecimento mental dos atores envolvidos, não é apenas por coincidência que se alastra o número de pessoas em sofrimento constante nos consultórios de psicologia e psiquiatria nos últimos anos, pois o adoecimento mental jamais poderá ser visto apenas pela ótica do sujeito, mas sim pela visão do que lhe consome e do que lhe faz consumir, por fora e por dentro, ou seja, pela construção social que somos fruto e por onde adoecemos. 

Norton Soares - Psicólogo - CRP 07/26583