Edição do dia 13/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Santa Cruz perde Arno Frantz
GERAL - Ex-prefeito da cidade faleceu na manhã de ontem, de uma parada respiratória
Obrigado, "seu Arno"
EDITORIAL
Pagamento do IPVA com desconto começa dia 17 de dezembro
ECONOMIA
Aulas deverão ser concluídas somente em 2020
EDUCAÇÃO
Senac-RS lança edital para distribuição de vagas gratuitas
GERAL
Lei Geral de Proteção de Dados é tema de evento
GERAL
Novo Cabrais: Quadra de esportes da Linha São João é inaugurada
ESPORTES - Local foi construído pela prefeitura municipal, através de uma emenda parlamentar de Luiz Carlos Heinze
Novo Cabrais: Programação de Natal ocorre nesta sexta-feira
VARIEDADES - Evento contará com diversas atrações no Centro Desportivo Municipal
Novo Cabrais: Projeto sobre meio ambiente é desenvolvido na Teófilo
GERAL
Receita Estadual entrega dados de sonegação ao Ministério Público do RS
ECONOMIA
Saque imediato do FGTS
GERAL - Bolsonaro sanciona lei que aumenta limite
TSE aprova normas para eleição municipal de 2020
GERAL
NAAC realiza o 1º Seminário de Tradutores e intérpretes de Libras
GERAL
Christkindfest: Desfile Natalino é destaque no fim de semana
VARIEDADES
Senac inscreve para curso de Design
GERAL
Christkindfest 2019: Espetáculo Alma Única no dia 18 de dezembro
VARIEDADES
RGE investiu R$ 45,7 milhões no Vale do Rio Pardo
ECONOMIA
Escolas da região doam materiais
EDUCAÇÃO

O agrotóxico é tóxico

OPINIÃO - 27/08/2019

Estamos num debate interessante que vem ganhando espaço na agenda brasileira: Os agrotóxicos. Da mesa do bar ao telejornal, no congresso nacional e até em programas de humor, os agrotóxicos estão na “boca do povo”. Segundo o Sindiveg, entidade dos fabricantes de agrotóxicos, nosso consumo de agrotóxicos é de 886.250 toneladas em 2017, em área plantada 65,9 milhões de hectares (Embrapa), são 13,45 kg/ha/ano (Garattoni, 07/08/19). Primeiro lugar no consumo de agrotóxicos no mundo e não dá para comemorar. Trazemos um resumo de duas pesquisas sobre agrotóxicos no Brasil e suas consequências para nossa saúde, sem falar em água, solo e alimentos, porque aí fica intragável.
A primeira do Ministério da Saúde feita pelo Instituto Butantã, publicado pelo Estadão (Jansen, 04/08/2019), afirmando que “Não existe quantidades seguras de agrotóxicos, pois se eles não matam, causam anomalias, (...)nenhum dos peixes submetidos aos testes se manteve saudável”, segundo a imunologista Mônica Lopes Ferreira, diretora do Laboratório Especial de Toxinologia Aplicada. Foi usada a plataforma Zebrafish (Peixe zebra), metodologia reconhecida no mundo todo para testar toxinas na água. Foram testados 10 pesticidas, desde as doses mínimas indicadas até 1/30 dessas dosagens entre 24, 48, 72 e 96 horas na água, com ovas fertilizadas dos peixes. O glifosato, melathion e piriproxifem causaram a morte dos embriões em 24 horas de exposição, independentemente da concentração do produto e os demais mataram ou deformaram os peixes que não morreram. “Nunca poderemos dizer que será igual (aos peixes). Mas, como geneticamente somos 70% iguais a esses animais, é muito alta a probabilidade de que a exposição aos agrotóxicos nos cause problemas”, afirma. 
Também foi noticiado pela TV Anhanguera de Goiás (05/07/2019), uma pesquisa de 10 anos da doutoranda Jhenefer Aguiar Ramos, do Lab. de Mutagênese, do Dep. de Biologia da UFG - Universidade Federal de Goiás, demonstrando que a exposição de 200 trabalhadores/as ao uso de agrotóxico, comparado com outros trabalhadores sem contato com agrotóxico, nos primeiros houve danos/lesões no seu DNA, tendo até cinco vezes mais quebras do material genético. “Se eles não tiverem um sistema de reparo eficiente, se tiver vários danos e não houver esse reparo, sim, eles podem ter uma maior propensão em desenvolver câncer”, assegura.
Ao evidenciar essas pesquisas sobre os agrotóxicos, não se trata de opinião, ser a favor ou contra. Mas de estudos de referência, de ciência que nos provoca a pensar sobre as consequências nefastas para a sociedade brasileira esse modelo de produção do agronegócio, onde o governo libera em sete meses o registro de 290 novos agrotóxicos (ÉpocaNegócios, 23/07/19), indo na contramão da nossa existência, que é o esfrço pela manutenção da vida na Terra. Esse debate nos interessa, porque estamos “dançando na beira do abismo” sob a “chuva de agrotóxicos”, negando a ciência, guiado pelo obscurantismo desses dias. E temos alternativas. 

João Paulo Reis Costa - Coordenação da AAVRP