Edição do dia 15/10/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Calendário de Eventos 2020
GERAL
35ª Oktoberfest: Shows tradicionalistas são atração desta quarta-feira
GERAL - Festa da Alegria terá apresentações do Grupo Fandangaço, às 20h, e Os Serranos, às 22h30, no Lonão
Festa da Alegria recebe 20 mil pessoas no Dia da Maturidade Ativa
GERAL - Mais de 40 grupos e excursões de todo o Estado estiveram na 35ª Oktoberfest nesta terça-feira, 15 de outubro
Dia do Professor: educação para a erradicação do trabalho infantil
GERAL - Conheça a história de dois profissionais que estão na linha de frente do programa ARISE, iniciativa que muda a realidade de crianças e adolescentes
Praça da Cultura levará o nome de José Paulo Rauber Filho
GERAL - Inauguração do local ocorreu no sábado, 12 e contou com a presença da família do homenageado
Terça-feira será de ponto facultativo nas escolas
GERAL - Além das escolas municipais e estaduais, algumas particulares também não terão aula neste dia
Dia do Eletricista é nesta quinta-feira
GERAL - Data marca a importância do profissional habilitado
Inscrições abertas para a Escola de Educação Infantil
GERAL - Há vagas gratuitas e pagas para crianças de 4 e 5 anos
Rodrigo Solda é o novo presidente
GERAL - Além dele, outros prefeitos foram empossados para a diretoria e conselho fiscal do biênio 2020/2021
Evento discute problemas do contrabando e a pirataria
GERAL - Palestra apresentou dados sobre as ameaças do mercado ilegal para a economia
Sicredi Vale do Rio Pardo enaltece o cooperativismo durante o desfile da 35ª Oktoberfest
GERAL
Quase 17 milhões já foram emprestados pelo município
GERAL
Primeiros dias de Oktoberfest superam 54,6 mil pessoas pagantes
GERAL - Semana segue repleta de atrações
Fala, professor!
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
Histórico da data
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
O profissional que dedica a sua vida a ensinar
EDUCAÇÃO - Especial Dia do Professor
O big bang é o Operacional Divino
OPINIÃO
Permitir não é obrigar
OPINIÃO

O agrotóxico é tóxico

OPINIÃO - 27/08/2019

Estamos num debate interessante que vem ganhando espaço na agenda brasileira: Os agrotóxicos. Da mesa do bar ao telejornal, no congresso nacional e até em programas de humor, os agrotóxicos estão na “boca do povo”. Segundo o Sindiveg, entidade dos fabricantes de agrotóxicos, nosso consumo de agrotóxicos é de 886.250 toneladas em 2017, em área plantada 65,9 milhões de hectares (Embrapa), são 13,45 kg/ha/ano (Garattoni, 07/08/19). Primeiro lugar no consumo de agrotóxicos no mundo e não dá para comemorar. Trazemos um resumo de duas pesquisas sobre agrotóxicos no Brasil e suas consequências para nossa saúde, sem falar em água, solo e alimentos, porque aí fica intragável.
A primeira do Ministério da Saúde feita pelo Instituto Butantã, publicado pelo Estadão (Jansen, 04/08/2019), afirmando que “Não existe quantidades seguras de agrotóxicos, pois se eles não matam, causam anomalias, (...)nenhum dos peixes submetidos aos testes se manteve saudável”, segundo a imunologista Mônica Lopes Ferreira, diretora do Laboratório Especial de Toxinologia Aplicada. Foi usada a plataforma Zebrafish (Peixe zebra), metodologia reconhecida no mundo todo para testar toxinas na água. Foram testados 10 pesticidas, desde as doses mínimas indicadas até 1/30 dessas dosagens entre 24, 48, 72 e 96 horas na água, com ovas fertilizadas dos peixes. O glifosato, melathion e piriproxifem causaram a morte dos embriões em 24 horas de exposição, independentemente da concentração do produto e os demais mataram ou deformaram os peixes que não morreram. “Nunca poderemos dizer que será igual (aos peixes). Mas, como geneticamente somos 70% iguais a esses animais, é muito alta a probabilidade de que a exposição aos agrotóxicos nos cause problemas”, afirma. 
Também foi noticiado pela TV Anhanguera de Goiás (05/07/2019), uma pesquisa de 10 anos da doutoranda Jhenefer Aguiar Ramos, do Lab. de Mutagênese, do Dep. de Biologia da UFG - Universidade Federal de Goiás, demonstrando que a exposição de 200 trabalhadores/as ao uso de agrotóxico, comparado com outros trabalhadores sem contato com agrotóxico, nos primeiros houve danos/lesões no seu DNA, tendo até cinco vezes mais quebras do material genético. “Se eles não tiverem um sistema de reparo eficiente, se tiver vários danos e não houver esse reparo, sim, eles podem ter uma maior propensão em desenvolver câncer”, assegura.
Ao evidenciar essas pesquisas sobre os agrotóxicos, não se trata de opinião, ser a favor ou contra. Mas de estudos de referência, de ciência que nos provoca a pensar sobre as consequências nefastas para a sociedade brasileira esse modelo de produção do agronegócio, onde o governo libera em sete meses o registro de 290 novos agrotóxicos (ÉpocaNegócios, 23/07/19), indo na contramão da nossa existência, que é o esfrço pela manutenção da vida na Terra. Esse debate nos interessa, porque estamos “dançando na beira do abismo” sob a “chuva de agrotóxicos”, negando a ciência, guiado pelo obscurantismo desses dias. E temos alternativas. 

João Paulo Reis Costa - Coordenação da AAVRP