Edição do dia 13/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Santa Cruz perde Arno Frantz
GERAL - Ex-prefeito da cidade faleceu na manhã de ontem, de uma parada respiratória
Obrigado, "seu Arno"
EDITORIAL
Pagamento do IPVA com desconto começa dia 17 de dezembro
ECONOMIA
Aulas deverão ser concluídas somente em 2020
EDUCAÇÃO
Senac-RS lança edital para distribuição de vagas gratuitas
GERAL
Lei Geral de Proteção de Dados é tema de evento
GERAL
Novo Cabrais: Quadra de esportes da Linha São João é inaugurada
ESPORTES - Local foi construído pela prefeitura municipal, através de uma emenda parlamentar de Luiz Carlos Heinze
Novo Cabrais: Programação de Natal ocorre nesta sexta-feira
VARIEDADES - Evento contará com diversas atrações no Centro Desportivo Municipal
Novo Cabrais: Projeto sobre meio ambiente é desenvolvido na Teófilo
GERAL
Receita Estadual entrega dados de sonegação ao Ministério Público do RS
ECONOMIA
Saque imediato do FGTS
GERAL - Bolsonaro sanciona lei que aumenta limite
TSE aprova normas para eleição municipal de 2020
GERAL
NAAC realiza o 1º Seminário de Tradutores e intérpretes de Libras
GERAL
Christkindfest: Desfile Natalino é destaque no fim de semana
VARIEDADES
Senac inscreve para curso de Design
GERAL
Christkindfest 2019: Espetáculo Alma Única no dia 18 de dezembro
VARIEDADES
RGE investiu R$ 45,7 milhões no Vale do Rio Pardo
ECONOMIA
Escolas da região doam materiais
EDUCAÇÃO

Conde D

OPINIÃO - 03/09/2019

O diário que estamos falando - "Viagem militar ao Rio Grande do Sul" (Itatiaia/USP, 1981) - é mesmo muito interessante. O autor, o famoso “nome de rua” Conde d'Eu, era letrado, ligado nas atualidades mundiais, manjava de história e ciências da época, como muitos das nobrezas europeias do século XIX, fascinado por vestimentas militares e outros "trajos", caso do poncho, que conheceu "ao vivo" e usou-os em Porto Alegre durante a sua passagem pelas bandas, antes de subir de barco pelo Jacuí até Rio Pardo, seu próximo destino em direção a Caçapava, onde iria encontrar o sogro e o concunhado (Augusto), que estavam rumando à fronteira invadida pelos paraguaios. Ele anota no diário no dia 08 de agosto de 1865:
"A maior parte das ruas de Porto Alegre são em rampa, como é também aquela praça [onde estão quatro palmeiras, cujos enfezados ramos parecem gemer de frio, curvados sobre a violência do vento pampeiro]; mas são largas e alinhadas. Há muitas lojas e em quase todas se vê o famoso poncho, trajo condicional da região, que não é o poncho da infantaria espanhola nem mesmo o poncho comprido dos mexicanos. O daqui é simplesmente uma capa de pregas muito largas, cortadas uniformemente em círculo à altura dos joelhos e que não tem outra abertura senão a do centro, por onde se enfia a cabeça. Às veze tem uma enorme gola, que se pode levantar para abrigar a nuca. Quanto aos braços, ficam dentro: para usar deles é preciso levantar e sustentar um dos lados da capa: é o inconveniente do trajo. A maior parte dos ponchos são de pano azul-escuro ou preto, forrados de vermelho. Assim é o que eu trago. Mas também se veem de várias cores, entrando o amarelo-escuro, o verde e outras, com vários desenhos, nos cavaleiros que passam pelas ruas de Porto Alegre. [...] A pedido do fotógrafo, um italiano, fui-me retratar de poncho e chapéu mole."
Passados exato um mês, em 8 de outubro, Conde d'Eu vai voltar a falar em poncho, dessa vez a partir de um "modelito" envergado pelo seu já referido concunhado, o Príncipe de Saxe-Coburgo-Gota ou, na intimidade, simplesmente Augusto, marido da Princesa Leopoldina, a outra filha de Dom Pedro II:
"Augusto aparece com um poncho de verão, branco com risquinhas azul-celeste. Fica definido este trajo pelo seu nome: quando começa a fazer muito calor para que se possa usar o poncho de lã, o gaúcho elegante substitui-o por outro, feito de uma fazenda leve de algodão e seda. Há os inteiramente brancos, e outros amarelos; mas a maior parte tem listas, sempre de cores claras e vivas. São muito pitorescos quando entram a flutuar à mercê do vento sobre o cavalo a galope, com os arreios muito enfeitados de prata; mas parecem-me ter pouca utilidade prática na viagem."
O conde poderia hoje ser um refinado estilista de moda. Mas foi bem mais que isso em seus 80 anos de vida.

Iuri J. Azeredo – Professor