Edição do dia 13/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Santa Cruz perde Arno Frantz
GERAL - Ex-prefeito da cidade faleceu na manhã de ontem, de uma parada respiratória
Pagamento do IPVA com desconto começa dia 17 de dezembro
ECONOMIA
Aulas deverão ser concluídas somente em 2020
EDUCAÇÃO
Senac-RS lança edital para distribuição de vagas gratuitas
GERAL
Lei Geral de Proteção de Dados é tema de evento
GERAL
Novo Cabrais: Quadra de esportes da Linha São João é inaugurada
ESPORTES - Local foi construído pela prefeitura municipal, através de uma emenda parlamentar de Luiz Carlos Heinze
Novo Cabrais: Programação de Natal ocorre nesta sexta-feira
VARIEDADES - Evento contará com diversas atrações no Centro Desportivo Municipal
Novo Cabrais: Projeto sobre meio ambiente é desenvolvido na Teófilo
GERAL
Receita Estadual entrega dados de sonegação ao Ministério Público do RS
ECONOMIA
Saque imediato do FGTS
GERAL - Bolsonaro sanciona lei que aumenta limite
TSE aprova normas para eleição municipal de 2020
GERAL
NAAC realiza o 1º Seminário de Tradutores e intérpretes de Libras
GERAL
Christkindfest: Desfile Natalino é destaque no fim de semana
VARIEDADES
Senac inscreve para curso de Design
GERAL
Christkindfest 2019: Espetáculo Alma Única no dia 18 de dezembro
VARIEDADES
RGE investiu R$ 45,7 milhões no Vale do Rio Pardo
ECONOMIA
Escolas da região doam materiais
EDUCAÇÃO
Empregador assina a carteira digital pelo eSocial
GERAL

Narrativas de dor e liberdades

Escritora Marli Silveira traz à tona a realidade do encarceramento no livro 'Liberdade Rasurada'

VARIEDADES - 01/10/2019

Marli Silveira: 'permitir a palavra a mulheres e homens que passaram pela experiência da prisão é questão fundamental para que a pauta do encarceramento possa ser discutida também a partir daqueles que sentiram e experienciaram a reclusão'Marli Silveira: 'permitir a palavra a mulheres e homens que passaram pela experiência da prisão é questão fundamental para que a pauta do encarceramento possa ser discutida também a partir daqueles que sentiram e experienciaram a reclusão' Crédito: Divulgação

Sara Rohde
[email protected]

Como é a situação dentro de um presídio? Como segue a vida de uma pessoa encarcerada? E após, fora das celas? Ser detenta não significa perder os direitos, muito menos a liberdade, a garantia de exercer a cidadania e de viver. Mas será que esta realidade é possível na vida de quem viveu num presídio?
Com o objetivo de dar voz e discutir a situação das mulheres que enfrentam o encarceramento, Marli Silveira lança ‘Liberdade rasurada - narrativas de dor e liberdades’ (Besourobox, 2019). A escritora procura com a obra literária “apresentar nuances que subvertem o lugar comum da condição humana, pensando a liberdade, o começar e a indeterminação própria do nosso modo como indispensáveis para ressignificar o olhar sobre o humano, transitando sobre o que tenho chamado de ‘interioridade desdobrada’, ou seja, pensar o nosso modo como um desdobramento entre o ‘dentro e o fora’. É o ponto, quem sabe, central das minhas buscas e escritas”.
Segundo Marli, o livro não tem a pretensão de esgotar o tema, mas de apresentar uma incursão sobre a condição humana a partir do modo de ser-detento, também garantindo dar voz a pessoas que passaram pela experiência da prisão. “Permitir a palavra a mulheres e homens que passaram pela experiência da prisão é questão fundamental para que a pauta do encarceramento possa ser discutida também a partir daqueles que sentiram e experienciaram a reclusão”, conta.
O livro tem relação com o trabalho anterior da escritora intitulado ‘Entre peles e poesias’, o qual narra histórias de presidiárias. Conforme Marli, para mulheres enfrentar o cárcere privado é difícil, mas após a soltura um grande desafio vem à frente. “Desde 2017, quando lançamos o ‘Entre Peles e Poesias’, e a partir da minha pesquisa atual, fui percebendo que além de garantir voz a mulheres que estavam na condição de reclusas, era fundamental manter vínculos com as que tinham deixado a prisão, pois a complexidade de quem sai de um presídio, em qualquer lugar e situação, é imensa e necessita de um olhar humanizador. Há resistências na grande maioria dos espaços, inviabilizando desde a contratação profissional à efetivação de laços afetivos”, explica.
“No caso da mulher, as pesquisas nos dão conta que muitas perdem companheiros, filhos e os vínculos familiares pelo peso moral que recai sobre a condição de ser uma ex-detenta. Articulada tal realidade com o fato de que a população carcerária feminina aumentou quase 600% entre 2004 e 2016, principalmente por causa do tráfico de drogas”. 
Para a escritora é essencial que sejam repensadas políticas públicas, ações, atividades e programas que visam assegurar os direitos a cidadania, principalmente que seja repensada uma política do encarceramento, o que será a solução de um grande problema.
O objetivo em escrever o livro, segundo Marli, é abordar as condições de encarceradas, mas também é a necessidade de expandir um assunto que por muitas vezes é posto de lado pela sociedade. “Como visibilizar pessoas que a sociedade deseja manter em regiões excluídas e ou úteis à constituição de uma racionalidade que nos informa constantemente. Não sei se temos todas as respostas, mas posso dizer que vivemos em meio a uma hipocrisia, balizada por chavões que em nada contribuem para se pensar o encarceramento no país”. 
Um olhar humanizado, que coloca à frente a educação. “Acredito na literatura como indispensável às cercanias do outro, na filosofia como uma das abordagens indispensáveis à discussão, principalmente por pensar que é a vulnerabilidade e a indeterminação que podem nos predispor a um olhar humanizante na direção dos outros. Quanto mais compreendermos e reiteradamente pautarmos tais aspectos como essenciais para a nossa vida e nossa existência social, mais nos daremos conta de que precisamos menos de armas e mais de disponibilidade”, explica.
Marli ressalta uma pesquisa recente que a cada 1% de armas em circulação, aumenta em até 2% os homicídios, “morrem no Brasil mais de 60 mil pessoas ao ano, a grande maioria por arma de fogo e quando assistimos, lemos ou ouvimos autoridades defenderem sem qualquer escrúpulo mais violência e o enfrentamento como único aceno para a complexidade do tema, percebemos que ou a sociedade e alguns organismos protagonizam o debate, ou seremos sucumbidos à desalentadora política da guerra às drogas e massacre de jovens, jovens pobres, mulheres pobres, etc”, finalizou.