Edição do dia 13/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Santa Cruz perde Arno Frantz
GERAL - Ex-prefeito da cidade faleceu na manhã de ontem, de uma parada respiratória
Obrigado, "seu Arno"
EDITORIAL
Pagamento do IPVA com desconto começa dia 17 de dezembro
ECONOMIA
Aulas deverão ser concluídas somente em 2020
EDUCAÇÃO
Senac-RS lança edital para distribuição de vagas gratuitas
GERAL
Lei Geral de Proteção de Dados é tema de evento
GERAL
Novo Cabrais: Quadra de esportes da Linha São João é inaugurada
ESPORTES - Local foi construído pela prefeitura municipal, através de uma emenda parlamentar de Luiz Carlos Heinze
Novo Cabrais: Programação de Natal ocorre nesta sexta-feira
VARIEDADES - Evento contará com diversas atrações no Centro Desportivo Municipal
Novo Cabrais: Projeto sobre meio ambiente é desenvolvido na Teófilo
GERAL
Receita Estadual entrega dados de sonegação ao Ministério Público do RS
ECONOMIA
Saque imediato do FGTS
GERAL - Bolsonaro sanciona lei que aumenta limite
TSE aprova normas para eleição municipal de 2020
GERAL
NAAC realiza o 1º Seminário de Tradutores e intérpretes de Libras
GERAL
Christkindfest: Desfile Natalino é destaque no fim de semana
VARIEDADES
Senac inscreve para curso de Design
GERAL
Christkindfest 2019: Espetáculo Alma Única no dia 18 de dezembro
VARIEDADES
RGE investiu R$ 45,7 milhões no Vale do Rio Pardo
ECONOMIA
Escolas da região doam materiais
EDUCAÇÃO

Dia do idoso: O que aumenta o nosso tempo de vida?

ESPECIAIS - 01/10/2019

Dia do Idoso é comemorado em 1º de outubroDia do Idoso é comemorado em 1º de outubro Crédito: Mabel Amber

A população mundial está envelhecendo rapidamente e, com isso, tem-se a inversão da proporção de nascimentos quando comparado com o número de população que atinge a faixa etária dos 60 anos. Segundo dados do Ministério da Saúde, em 2016, o Brasil ocupava o ranking do quinto país com a maior população idosa, e estima-se que em 2030, o número de idosos ultrapassará o total de crianças até 14 anos. Com a redução da mortalidade geral, tem-se o aumento da população idosa. O Brasil apresenta um rápido crescimento da população idosa (acima de 65 anos): em 2017 eram 28 milhões (13,5% da população total) e em dez anos essa parcela da população chegará a 38,5 milhões (17,4% da população total). Segundo as estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2042, a população idosa deve alcançar 57 milhões (24,5%). O expressivo aumento do número de idosos está associado à longevidade humana. (nota do editor: No dia 1º de outubro é celebrado o Dia do Idoso).
O aumento da longevidade humana relaciona-se com os avanços da medicina, cujas novas tecnologias e tratamentos permitem a melhoria da qualidade de vida. Para exemplificar, a primeira vacina foi criada em 1796. Nessa época, a expectativa de vida era de 33 anos. Com a chegada dos primeiros antibióticos em 1930, a expectativa de vida passou a ser de 51 anos; já em 2003, quando foi concluído o sequenciamento do genoma humano, a expectativa de vida passou a ser de 62 anos. Estima-se que no ano de 2050 com o aparecimento de novas tecnologias a expectativa de vida passe a ser de 84 anos.
Associado a isso tem-se uma ampliação das políticas públicas, como a criação, em 1994, da Política Nacional do Idoso, da Política Nacional de Saúde do Idoso em 1999 e, finalmente em 2003, do Estatuto do Idoso. Assim a população idosa passou a ser amplamente vista por várias esferas, como os órgãos governamentais, os serviços públicos e privados de saúde, indústrias farmacêuticas e os próprios profissionais de saúde, fazendo com que se intensifiquem o desenvolvimento e a implantação de medidas preventivas e terapêuticas que possam promover o envelhecimento saudável.
Porém a longevidade nem sempre está acompanhada a uma condição de vida saudável. Grande parte dos idosos possuem uma ou mais doenças, sendo elas chamadas de doenças crônicas não transmissíveis e/ou doenças degenerativas. As principais doenças crônicas não transmissíveis são a hipertensão arterial sistêmica e o diabetes mellitus, que são os principais fatores de risco para o desenvolvimento das doenças cardíacas, complicações renais e cerebrovasculares. E as principais doenças degenerativas são o Alzheimer e o mal de Parkinson.
Portanto, para que a longevidade humana possa ocorrer com qualidade de vida, é necessário intensificar as ações do poder público relacionadas às atividades psicoeducativas nas equipes de saúde de modo que os adultos possam preparar-se para o envelhecimento humano ao mesmo tempo em que os idosos possam também prevenir o aparecimento das doenças.

Cristiano Caveião
Enfermeiro, Doutor em Enfermagem e coordenador do Curso Superior de Tecnologia em Gerontologia – Cuidado ao Idoso do Centro Universitário Internacional Uninter.