Edição do dia 15/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Inicia mais um Enart
GERAL - A 34ª edição do evento reúne em Santa Cruz do Sul os apaixonados pela cultura gaúcha
ACI: Gabriel Borba é aclamado presidente
GERAL - Ele estará à frente da entidade junto com o vice, César Cechinato, para o biênio 2020-2021
Copa Lisaruth 20 anos tem segunda rodada
ESPORTES
Cestinha Sesi/Unisc disputa o 2º turno das semifinais
ESPORTES
O Avenida ainda não confirmou a sua participação na Divisão de Acesso
ESPORTES
Dia de confirmar classificação
ESPORTES
Regional 2019: Fim de semana tem clássico em Vale do Sol
ESPORTES
Solled Energia ganha o principal prêmio brasileiro do setor
EMPRESARIAL
Secult abre novo prazo para cadastro de entes culturais
VARIEDADES
Marista São Luís é destaque e traz prêmios a Santa Cruz Do Sul
ESPORTES - Somente no Maristão, realizado em Porto Alegre, Colégio conquistou sete premiações
Excelsior: Casa do Cliente foi inaugurada
EMPRESARIAL
Por mês, operação do Rapidinho gera 94 mil advertências
GERAL - Valores ficam pendentes no sistema e precisam ser regularizados pelos usuários
Disputa das finais inicia neste sábado
ESPORTES - Campeões serão conhecidos após jogos de ida e volta nas categorias veterano, feminino e livre
Saúde recebe R$ 150 mil da Câmara
SAÚDE
Mostra do Cerest tem trabalho desenvolvido em Novo Cabrais
GERAL
Palestra debate o Direito sucessório do cônjuge e da união estável
GERAL
Persuasão interna é o caminho para a alta performance
GERAL
Reforma da Previdência é tema de curso
GERAL

Evento discute problemas do contrabando e a pirataria

Palestra apresentou dados sobre as ameaças do mercado ilegal para a economia

GERAL - 15/10/2019

Grasiel Grasel
[email protected]

Vismona: aumento de impostos beneficia o contrabando Vismona: aumento de impostos beneficia o contrabando Crédito: Grasiel Grasel

Mais uma edição do tradicional evento da Associação Comercial e Industrial (ACI), o “Tá na Hora”, trouxe para Santa Cruz do Sul, desta vez, o presidente do Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP), o advogado Edson Vismona, que falou ao público durante o almoço desta segunda, dia 14, no Hotel Águas Claras. O tema da palestra tratou das ameaças que o mercado ilegal, que envolve o contrabando e a pirataria, pode trazer à economia do Brasil como um todo, tanto na arrecadação de impostos quanto na atividade comercial.
Em coletiva de imprensa, Vismona afirmou que um dos principais meios de rever soluções para casos de contrabando de cigarro, que é o produto com a maior entrada ilegal no país, pode ser a reforma tributária, que deve focar na simplificação do cálculo dos tributos a serem pagos pelo empreendedor. O advogado sugere, inclusive, que seja criada uma marca popular de cigarros, produzido por indústrias brasileiras: “você poderá ter um cigarro mais barato, que pagando menos impostos ocupe o espaço do contrabando, porque hoje, a carga tributária elevada só incentiva o contrabando”, explica.
Outro ponto abordado na palestra foi a origem de cigarros ilegais produzidos no Brasil pelo crime organizado. Segundo ele, fábricas administradas pelo Primeiro Comando da Capital (PCC), uma das maiores organizações criminosas do país, já foram fechadas pelas forças de segurança nacional, que identificaram, inclusive, que o produto era escoado para dentro de presídios. A expansão do comércio ilegal já é tamanha que facções brasileiras já foram identificadas vendendo até mesmo para países vizinhos.
Comércio ilegal no RS
Com informações fornecidas com exclusividade para a imprensa local através do Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial (ETCO), do qual Vismona também é presidente, o evento também oportunizou a divulgação do último levantamento realizado pelo Ibope Inteligência que apontou que o contrabando de cigarros atingiu índices recorde no Rio Grande do Sul, subindo para 49% do total consumido pelos gaúchos e somando um montante de cerca de R$ 818 milhões só em 2019. No Brasil, 57% dos cigarros comprados pelos consumidores é de origem criminosa, este foi o sexto ano consecutivo que este índice cresceu.
O levantamento também mostrou que as três marcas mais consumidas pelos gaúchos são contrabandeadas. Se o total de cigarros ilegais consumidos no Estado fossem de origem legal, seriam cerca de R$327 milhões arrecadados só com ICMS e aproximadamente R$32 milhões em IPI proveniente do Fundo de Participação do Estado (FPE) indo para os cofres públicos do RS.
Não é só cigarro
Além do mercado cigarreiro, o advogado afirma que ambulantes e camelôs, que atuam fora dos moldes das leis, também podem ser regularizados, mas para isto é necessária uma revisão pela simplificação no processo burocrático de abertura e pagamento de impostos de empresas. Atualmente, segundo ele, o Estado perde dinheiro demais pela insegurança jurídica que um sistema tributário complexo como o brasileiro impõe. “São mais de três trilhões de reais em impostos que não são pagos porque não são discutidos na esfera administrativa e judicial. Isso é inacreditável. O Estado precisando de dinheiro, o contribuinte querendo pagar, mas tudo isso está parado em discussões infindáveis”.
De acordo com estimativas do ETCO, no Brasil já são cerca de R$193 bilhões em perdas totais em arrecadações no ano passado com o comércio ilícito em geral. A média é levantada a partir de informações de órgãos que representam 130 setores comerciais e industriais que são diretamente afetados pelo contrabando e a pirataria. “Se nós estimássemos que estes 130 setores afetados pagassem, com isso, uma média bem conservadora de 46% de imposto, nós chegamos em mais de 160 bilhões de prejuízos para o erário federal, estadual e municipal”, explicou Vismona.