Edição do dia 21/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Aliança Santa Cruz retorna com carnaval infantil
GERAL - A festa irá ocorrer na Sede Campestre
Sítio Pedagógico: Começam as obras de instalação
GERAL
Empresas podem fazer doações diretas ao Consepro
GERAL
Próxima edição será dia 1º de fevereiro
GERAL - Evento será realizado no campinho do Bom Jesus
Praça da Bandeira: Parklet já tem data para instalação
GERAL
Santa Cruz se despede de Wilson Griesang
GERAL
Concurso público bate recorde de inscritos
GERAL
Novas placas de veículos serão obrigatórias a partir de 31 de janeiro
GERAL
Lei que amplia ficha limpa é decretada
GERAL - A partir de agora quem cometeu crimes está vedado em assumir vagas na Câmara
Saúde na Palma da Mão: saiba como baixar o aplicativo
SAÚDE
Salve, salve a lembrança do herói de Santa Cruz do Sul: Arno Frantz
OPINIÃO
Inovação e transparência devem andar de mãos dadas
OPINIÃO
Benditas são as mentes criadoras que combinam sons e silêncio e os transformam em música
OPINIÃO
Dengue: Santa Cruz registra sete casos de suspeita
SAÚDE - Município está entre 99 do Estado com infestação do mosquito
Projeto sugere isenção de IPTU para estacionamentos
GERAL - Vereador também propôs um aplicativo para registro de gastos e receitas do município
Uma agroindústria que empodera
EMPRESARIAL - Programa Arise possibilitou a abertura de uma empresa no interior
Atleta santa-cruzense busca apoio para disputa de competição na França
ESPORTES
União Corinthians empossa departamento de Judô
ESPORTES

Verrugas Estelares

OPINIÃO - 12/11/2019

Quando eu era pequeno gostava de contar estrelas. Deitava no meio do quintal e olhava o céu escuro repleto de pontinhos brilhantes. Começava a contar em um determinado ponto e quando parava, geralmente por ser tarde da noite e tinha que entrar para dormir, continuava contando no outro dia de onde tinha parado.
Era uma inocente mania que eu tinha, já que não havia nada melhor para fazer.
Mas um dia, ou melhor, uma noite, minha mãe me flagrou com o dedo para cima contando estrelas e me repreendeu:
- Menino! Pare de ficar contando estrelas porque nasce verruga na ponta do seu dedo!
Daquela noite em diante minha vida nunca mais foi a mesma.
Eu ficava imaginando como o simples ato de apontar para estrelas e conta-las poderia causar protuberâncias calosas nas pontas de meus dedos? Qual era a ligação cósmica que haveria entre estrelas-dedos-verrugas?
Não tive outra saída a não ser buscar respostas a essas intrincadas questões, e quando me tornei adulto pude sair de casa à procura de respostas.
Visitei um famoso astrônomo chamado Aristarco e levei minhas indagações.
O experiente astrônomo ficou perplexo. Essa teoria era completamente nova para ele. Nunca havia feito tais analises astronômicas para a possibilidade de uma verruga nascer na ponta de um dedo somente pela indicação de um astro brilhante no Cosmo.
Uma junta de cientistas foi convocada para formularem teorias sobre o caso das “Verrugas Estelares”.
No final das pesquisas os inteligentíssimos cientistas teorizaram que a verruga poderia ser causada por ondas eletromagnéticas emanadas dos astros que causavam modificações no DNA humano ocasionando verrugas em pontos mais próximos ao astro emanador (no caso a ponta do dedo).
A pesquisa foi publicada na “Science”, uma das mais prestigiadas revistas cientificas do mundo e o professor Aristarco foi indicado ao Prêmio Nobel de Física.
Depois de comprovado a relação estrelas-dedos-verrugas, voltei para casa satisfeito em adquirir conhecimento e ter respostas às minhas perguntas.
Entretanto, agora estou indignado e não consigo entender por que em tanto tempo sem contar estrelinha nenhuma no céu, sem nunca mais apontar os dedos ou qualquer outra parte do corpo para qualquer objeto iluminado na noite... foi nascer essa horrível verruga bem na ponta do meu nariz?!

Rodrigo Alves de Carvalho - Jornalista, escritor e poeta