Edição do dia 11/12/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Templo de umbanda realiza ação beneficente
GERAL - Alimentos não perecíveis poderão ser entregues na Rua Cambará, 530, até dia 21
Prefeitura anuncia diversos investimentos
ECONOMIA - Entre eles a pavimentação das ruas dos loteamentos no valor de R$ 30 milhões
Regional 2019: Bom Jesus fica com o título inédito
ESPORTES
Fernando Jr. vence em Interlagos e é campeão da Master
ESPORTES
Copa Lisaruth 20 anos: Dois empates e uma goleada
ESPORTES
Tudo pronto para III Abertura Oficial da Colheita do Tabaco
GERAL - Evento acontece nesta sexta, 13 de dezembro, na propriedade de Jeferson Stertz, em Arroio do Tigre (RS)
Instituto forma jovens em empreendedorismo e gestão rural
GERAL
Ginástica Rítmica é campeã estadual de 2019
ESPORTES - Aluna Alice Silva foi reconhecida como a Ginasta Destaque da GR
Presidente da Câmara Brasil-Portugal reúne-se com Eduardo Leite
GERAL
Funcionalismo quer retirada do Pacote de Leite
GERAL
Câmara aprova ampliação da lei para CCs do Legislativo
GERAL
Projeto Guarda-Costas certifica 64 alunos das escolas Leonel Brizola e Rauber
GERAL
Danton Oestreich na Casa das Artes
VARIEDADES
Centro Cultural 25 de Julho: Natal com arte e cultura germânica
VARIEDADES
Christkindfest: Praça Getúlio Vargas entra no clima de Natal
VARIEDADES
Carreteiro Solidário beneficia 3,4 mil pessoas
GERAL
Café Empresarial: Mercado de ações cresce como opção de investimento
EMPRESARIAL
Concerto de Rock ao Entardecer é hoje
VARIEDADES

Verrugas Estelares

OPINIÃO - 12/11/2019

Quando eu era pequeno gostava de contar estrelas. Deitava no meio do quintal e olhava o céu escuro repleto de pontinhos brilhantes. Começava a contar em um determinado ponto e quando parava, geralmente por ser tarde da noite e tinha que entrar para dormir, continuava contando no outro dia de onde tinha parado.
Era uma inocente mania que eu tinha, já que não havia nada melhor para fazer.
Mas um dia, ou melhor, uma noite, minha mãe me flagrou com o dedo para cima contando estrelas e me repreendeu:
- Menino! Pare de ficar contando estrelas porque nasce verruga na ponta do seu dedo!
Daquela noite em diante minha vida nunca mais foi a mesma.
Eu ficava imaginando como o simples ato de apontar para estrelas e conta-las poderia causar protuberâncias calosas nas pontas de meus dedos? Qual era a ligação cósmica que haveria entre estrelas-dedos-verrugas?
Não tive outra saída a não ser buscar respostas a essas intrincadas questões, e quando me tornei adulto pude sair de casa à procura de respostas.
Visitei um famoso astrônomo chamado Aristarco e levei minhas indagações.
O experiente astrônomo ficou perplexo. Essa teoria era completamente nova para ele. Nunca havia feito tais analises astronômicas para a possibilidade de uma verruga nascer na ponta de um dedo somente pela indicação de um astro brilhante no Cosmo.
Uma junta de cientistas foi convocada para formularem teorias sobre o caso das “Verrugas Estelares”.
No final das pesquisas os inteligentíssimos cientistas teorizaram que a verruga poderia ser causada por ondas eletromagnéticas emanadas dos astros que causavam modificações no DNA humano ocasionando verrugas em pontos mais próximos ao astro emanador (no caso a ponta do dedo).
A pesquisa foi publicada na “Science”, uma das mais prestigiadas revistas cientificas do mundo e o professor Aristarco foi indicado ao Prêmio Nobel de Física.
Depois de comprovado a relação estrelas-dedos-verrugas, voltei para casa satisfeito em adquirir conhecimento e ter respostas às minhas perguntas.
Entretanto, agora estou indignado e não consigo entender por que em tanto tempo sem contar estrelinha nenhuma no céu, sem nunca mais apontar os dedos ou qualquer outra parte do corpo para qualquer objeto iluminado na noite... foi nascer essa horrível verruga bem na ponta do meu nariz?!

Rodrigo Alves de Carvalho - Jornalista, escritor e poeta