Edição do dia 24/01/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brigada Militar prende suspeito com animal abatido
POLÍCIA
Saboreares: opção de qualidade o ano inteiro
EMPRESARIAL
Mecânica do Fernando: há nove anos prestando serviços de qualidade
EMPRESARIAL
Sabores deliciosos é na CremoLatto Sorvetes
EMPRESARIAL
O que você precisa saber sobre vagas para idosos e deficientes
GERAL
Cepru Unisc: Inscrições para Instrutor de Trânsito estão abertas
GERAL
Vegetação na Av. do Imigrante obstrui visão de motoristas
GERAL - Apesar de todo embelezamento, cidadãos reclamam que plantas prejudicam o trânsito
Mais seis escolas da rede municipal estão sendo revitalizadas
EDUCAÇÃO - Pintura interna e externa, aquisição de mobiliário, reforma nas quadras esportivas, instalação de playground, entre outros serviços estão sendo realizados
Vestibular solidário da Uninter ajuda escolas carentes
GERAL
Exposição fotográfica do Capsia está sendo realizada no Shopping Santa Cruz
VARIEDADES
O que o Novo Cemai terá de diferente?
SAÚDE
Campanha visa arrecadar material escolar
GERAL - Criada por um grupo de torcedores do Inter, ação se estende até o dia 15 de fevereiro
Brinqmania realiza festa beneficente para Juju
GERAL
Segunda edição do Bailinho da Borges está confirmada
VARIEDADES - O evento será realizado dia 15 de fevereiro, na Rua Borges do Medeiros
Literatura Brasileira dos Catarinenses
OPINIÃO
MP denuncia mais um vereador por 'rachadinha'
POLÍTICA - Alceu Crestani (PSDB) também teria mantido um funcionário fantasma em Monte Alverne
Aproveite seu verão no Park Nativo
GERAL
Novo valor da passagem gera controvérsia
ECONOMIA - Promotor de Defesa Comunitária vê espaço para cálculo com tarifa menor

Escolas estaduais entram em greve

A paralisação que tem início na segunda-feira, 18, é por tempo indeterminado

EDUCAÇÃO - 15/11/2019

Após a assembleia, professores seguiram em bandeiraço pelas ruas da CapitalApós a assembleia, professores seguiram em bandeiraço pelas ruas da Capital Crédito: Caco Argemi

Rosibel Fagundes
[email protected]

Tem início na próxima segunda-feira, 18, uma greve geral do magistério por tempo indeterminado. A decisão foi aprovada durante uma assembleia realizada nesta quinta-feira, 14, em Porto Alegre pela categoria. O encontro contou com a participação de aproximadamente 400 pessoas do 18º Núcleo do Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul (Cpers). De acordo com a diretora-geral do 18º Núcleo, Cira Kaufmann, a categoria é contrária aos projetos encaminhados ao Legislativo pelo Governo do Estado que modificam o plano de carreira dos servidores públicos e o sistema de aposentadorias como explica. “A partir de segunda-feira, as escolas estaduais entrarão em greve por dois motivos. O primeiro deles é devido aos 47 meses de salário atrasado e por cinco anos não termos reposição nenhuma. E o segundo, é em resposta ao pacote de Eduardo Leite protocolado na noite de quarta-feira na Assembleia Legislativa”, afirmou.
De acordo com Cira Kauffmann, todas as escolas estaduais irão aderir ao movimento. Ela orienta que os pais apoiem a categoria neste momento tão importante. “Quando nós professores somos atingidos a escola pública também é atingida. Nós vimos nesse ano o governo fechar bibliotecas, fechar escolas, serviços de orientação e outros. Faltam professores em várias escolas e agora é hora dos pais pegarem junto conosco para que as escolas públicas do Rio Grande do Sul tenham qualidade. É muita falta de respeito o que estão fazendo, não só com os professores, mas também com os alunos”, comentou.

Durante a mobilização dos policiais civis somente ocorrências de casos graves, como homicídios, latrocínios, feminicídios e outros que envolvem a vida foram realizadasDurante a mobilização dos policiais civis somente ocorrências de casos graves, como homicídios, latrocínios, feminicídios e outros que envolvem a vida foram realizadas Crédito: Divulgação/Polícia Civil

Polícia Civil aguarda por negociação
Em resposta ao governo do Estado sobre o pacote estrutural, policiais civis de todo o estado decidiram mostrar a sua insatisfação com as propostas apresentadas pelo governo. Uma mobilização foi realizada na quarta e quinta-feira, 13 e 14, onde somente ocorrências de casos graves, como homicídios, latrocínios, feminicídios, Lei Maria da Penha e outros envolvendo crianças, vítimas de estupros e prisões em flagrante foram realizadas. As diligências e investigações, operações e cumprimento de ordens judiciais e outras situações de menor gravidade foram suspensas.
De acordo com o representante do Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia (Ugeirm), Orlando Brito de Campos Júnior, além da integralidade e paridade dos salários a categoria ainda aguarda por outras propostas. “A questão da integralidade e paridade está de acordo, a gente até concorda em partes. Mas, existem outras questões que estão em discussão. Colegas que ingressaram após 2015, não terão direito a integralidade e paridade. A alíquota previdenciária que é a segunda maior do país, que hoje está em 14%, poderá subir e chegar a 16% e até 18%. O IPE Saúde, que é um benefício dos servidores só poderá ser utilizado por cônjuge e filhos após o pagamento de uma taxa extra”, concluiu.
De acordo com Orlando após a mobilização dessa semana a categoria aguarda uma decisão do governo com relação as reformas. Além do pacote do Governo Leite, outra situação preocupante é o atraso nos salários dos servidores que completa quase dois meses. “Nessa terça–feira, foi integralizado o salário de setembro. E o salário correspondente ao mês de outubro deverá começar a ser pago a partir desta sexta-feira, 15. O pagamento se estende até a metade do mês de dezembro”, complementou.
Uma assembleia geral deverá ser marcada nos próximos dias para avaliar a possibilidade de deflagração de uma greve geral da categoria. Articulações também estão sendo feitas com deputados.