Edição do dia 22/02/2020

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Serviços são alterados neste Carnaval
GERAL
Crime de importunação sexual tem pena de até cinco anos de reclusão
ECONOMIA
Avenida joga amistoso na tarde deste sábado nos Eucaliptos
ESPORTES
Sistema usado no HSC é eleito melhor prontuário eletrônico da América Latina
GERAL
Prefeitura inicia melhorias no campo do Bom Jesus
ESPORTES - Investimentos serão realizados para implantação de novo gramado e iluminação
Edemilson pede demissão da prefeitura
GERAL - Secretário de Cultura deverá assumir compromissos pessoais com produções culturais
Locomotiva: os passos para a revitalização
VARIEDADES - O monumento estava em Canoas, antes de ser trazido para Santa Cruz, em 2015
Mistura de enérgico com álcool pode ser perigosa
GERAL - Cardiologista não recomenda realizar a combinação das bebidas, pois pode causar graves danos ao organismo e dependência
Sihmatel: 22 anos de tradição
EMPRESARIAL - Empresa está em novo endereço, com espaço mais amplo para melhor atender seus clientes
Avenida joga amistoso na tarde deste sábado nos Eucaliptos
ESPORTES - Técnico quer ajustar equipe para estreia dia 1º de março em Rio Grande
Caxias e Grêmio decidem primeiro turno na serra
ESPORTES
Afasc: Os resultados das categorias de base
ESPORTES
Judô: União Corinthians busca apoio para auxiliar atleta surda
ESPORTES
Lifasc: Posse da nova coordenação ocorre dia 27
ESPORTES
Santa-cruzenses correm para regularizar título de eleitor
GERAL - Fila quilométrica foi registrada na manhã de ontem, 21, nas imediações da Justiça Eleitoral
Seminário regional debate sobre a água
GERAL - Ação realizada na quarta, 19, foi uma promoção das prendas da 5ª Região Tradicionalista
Brigada Militar prende foragido
POLÍCIA
PRE combate embriaguez no feriadão de Carnaval
POLÍCIA

Uma agroindústria que empodera

Programa Arise possibilitou a abertura de uma empresa no interior

EMPRESARIAL - 21/01/2020

Marinês entregou as chaves do prédio da agroindústria para LeilaMarinês entregou as chaves do prédio da agroindústria para Leila Crédito: Grasiel Grasel

Grasiel Grasel
[email protected]

Por vezes a realidade de quem vive em regiões interioranas, afastadas de zonas urbanas, pode ser bastante restritiva em relação a oportunidades. A falta de infraestrutura e as condições precárias de vias de acesso dificulta a abertura de novos empreendimentos, que podem enfrentar problemas para escoar produtos. No entanto, os moradores de Coloninha, distrito de Arroio do Tigre, puderam ver essa situação mudar na última sexta-feira, dia 17, quando o programa Alcançando a Redução do Trabalho Infantil pelo Suporte à Educação (Arise) inaugurou na localidade sua primeira agroindústria de doces.
O programa é uma iniciativa conjunta da Organização Internacional do Trabalho (OIT), JTI e Winrock International. Seu objetivo é ajudar a prevenir e eliminar o trabalho infantil em comunidades produtoras de tabaco em que a JTI desenvolve suas atividades. Iniciado em 2011, o programa já atua em países como o Brasil, Malawi e Zâmbia.
Em Coloninha, o projeto desenvolvido teve o objetivo principal de empoderar economicamente mulheres da região oferecendo a elas uma opção de renda extra para que possam garantir uma educação de melhor qualidade aos filhos, evitando que as crianças precisem ajudar os pais na lavoura. Arroio do Tigre foi identificada no Censo de 2010 como uma das cidades com alta taxa de trabalho infantil no Rio Grande do Sul, quando 47,7% das crianças e adolescentes entre 10 e 15 anos possuíam ocupação.

Doces que serão produzidos puderam ser degustados e compradosDoces que serão produzidos puderam ser degustados e comprados Crédito: Grasiel Grasel

Resgatando a confiança
A agroindústria era um projeto da comunidade de Coloninha há muitos anos e sua estrutura já havia sido construída, no entanto, por falta de recursos ela não evoluiu. A supervisora de Projetos Sociais da JTI, Marinês Kittel, explica que, quando conheceu a iniciativa em 2018, percebeu que as famílias estavam desacreditadas, então seria necessário realizar um trabalho de resgate de suas confianças. 
Uma equipe da JTI realizou por três dias o trabalho de passar nas casas de mulheres que haviam realizado um curso de panificação oferecido pelo Arise às mães de alunos da escola local. “Quando a gente fazia as primeiras reuniões elas não apareciam, então a ideia foi ir ao encontro delas”, explica Marinês. Depois de conseguir convencê-las que o projeto finalmente sairia do papel e que ele seria importante para suas famílias e para a região, a primeira reunião de sucesso que viria a definir como funcionaria a agroindústria “Delícias da Colônia” foi realizada.
Marinês conta que a JTI possui essa responsabilidade social porque está inserida nas comunidades, que garantem a manutenção do negócio da empresa e, portanto, merecem novas oportunidades. “Dá mais trabalho desenvolver esses projetos em comunidades mais distantes? Dá, mas é muito mais gostoso, muito mais gratificante. A gente pode celebrar hoje essa inauguração e ver que valeu a pena toda a nossa caminhada”, afirma.

Cozinha da agroindústria foi totalmente equipada com patrocínio da JTICozinha da agroindústria foi totalmente equipada com patrocínio da JTI Crédito: Grasiel Grasel

Saiu do papel
Com a ajuda da comunidade, a prefeitura de Arroio do Tigre, a Emater e o patrocínio da JTI, todo o maquinário e estruturas que faltavam foram adquiridas. Para administrar o empreendimento, uma associação foi criada entre 13 mães, presidida por Leila Mara da Silva Brum. A partir de agora, segundo ela, o objetivo é buscar empresas parceiras para venderem seu produto. “Queremos sair nos mercados levando uma amostra do nosso produto para que eles possam provar, para a gente ter um espacinho em cada mercado para expor os nossos produtos”, conta.
Margarete Oliveira dos Santos é uma das associadas e, segundo ela, a criação da agroindústria proporcionou uma série de novas experiências e oportunidades, como os diversos cursos e palestras que pode assistir em Caxias do Sul e na comunidade. “Foi muito importante porque isso serve como uma renda extra para a gente, porque aqui é interior, não tem muitas opções, não tem nem padaria”, explica, falando também na possibilidade de investir mais na educação dos filhos.
Para garantir a sustentabilidade do negócio, a associação vai trabalhar com uma consultoria de estudantes da empresa júnior sem fins lucrativos Renove Jr., do curso de Engenharia Sanitária e Ambiental da UFSM, fazendo pesquisas socioeconômicas na região durante um ano. Também serão feitos trabalhos de motivação e gestão financeira com a Emater, bem como assessoria na busca por meios de comercialização.
A agroindústria Delícias da Colônia produz bolachas, cucas, pães e outros produtos derivados de farinhas. A ideia é poder comercializar o que é produzido para os moradores da região, mas a associação busca expandir seu negócio escoando produtos para mercados de toda a região. Interessados em firmarem parcerias podem entrar em contato com a Leila pelo WhatsApp (51) 9 9897-4079.