Edição do dia 12/11/2019

EDIÇÕES ANTERIORES FOTOS VIDEOS FALE CONOSCO HISTÓRICO - Primeira Edição SANTA CRUZ EM NÚMEROS TELEFONE ÚTEIS

Últimas Notícias

Brigada Militar prende homem por violência doméstica
POLÍCIA
Realeza da Vila lança samba-enredo nesta quinta-feira
GERAL - Na ocasião serão comemorados os 30 anos da escola de samba
Mudanças são anunciadas nas secretarias
GERAL
Dia de visitações, experiências e expectativas no Viva Unisc 2019
GERAL
Solenidade marca aniversário do General Gomes Carneiro
GERAL - Na ocasião também foi comemorada a chegada do III Batalhão ao município
Pequenas atitudes
OPINIÃO
Verrugas Estelares
OPINIÃO
Em defesa da vida
OPINIÃO
CDL aponta 800 vagas temporárias
ECONOMIA - Expectativa é de boas oportunidades de emprego para o período
ACI: Eleição ocorre hoje
GERAL
Vigilância Colaborativa: Lançamento do Programa acontece hoje
GERAL
GREVE: Polícia Civil paralisa nesta quarta-feira
POLÍCIA
Campeonato Municipal inicia no próximo dia 22
ESPORTES
AMO/Unimed VTRP: Atletas brilham pelo estado
ESPORTES
Dois times largam com vitória na estreia da Copa Lisaruth
ESPORTES
Estadual sub 19: Santa Cruz vence fora e fica perto da final
ESPORTES
Regional: São José larga na frente nas semifinais
ESPORTES
Universidade aguarda mais de cinco mil estudantes
GERAL

A Sbórnia voltou a Santa Cruz!

Espetáculo Tangos e Tragédias lotou Auditório Central da Unisc na última terça-feira

VARIEDADES - 03/08/2013

Cristiano Silva
[email protected]

Rolf Steinhaus

Recursos cênicos foram garantidos pela ficção construída em torno
dos personagens, maestro Plestkaya e o violinista Kraunus Sang

E mais uma vez a Sbórnia encantou. O espetáculo Tangos e Tragédias – com os irreverentes Maestro Plestkaya (Nico Nicolaiewsky) e o violinista Kraunus Sang (Hique Gomez) – de novo, fez os santa-cruzenses aplaudirem de pé, em um Auditório Central da Unisc completamente lotado. Em uma entrevista, pré espetáculo, muito divertida, os artistas Nico Nicolaiewsky e Hique Gomez frisaram que quem seria entrevistado seriam os seus personagens Maestro Plestkaya e Kraunus Sang, respectivamente. Conversando então com os personagens sbornianos, ao serem perguntados se no seu país de origem, a Sbórnia, teria uma festa como a Oktoberfest em Santa Cruz, Kraunus revelou que há, mesmo com o trauma do seu colega: “Plestkaya não vai nas festas por que teve um trauma muito grande, mas o Dia da Capunga é o dia mais festejado de nossa querida Sbórnia. Foi o dia que a Sbórnia se desgrudou do continente. Esse dia o pessoal comemora loucamente”, revelou o violinista. Ainda sobre Santa Cruz, Plestkaya revelou que adora as cucas da cidade, e sobre o adiamento do espetáculo  – que seria realizado no último dia 11 de julho –, Kraunus Sang revelou que teve um “ataque” de saúde e pediu desculpas por não poder comparecer na data marcada anteriormente. Ao ser questionando se o “ataque” viria da Sbórnia, o violinista revelou que era um “vírus bastante contagioso”, que ele pegou de um amigo, passou para outro amigo, e este foi passando e foi seguindo, mas que já estava recuperado para fazer um belo espetáculo. E fez.

Rolf Steinhaus

Espetáculo reuniu músicas do folclore sborniano,
canções brasileiras e sucessos da música internacional

ESPETÁCULO

Os dois artistas, que aparentemente representam pouco em um grande palco como o do Auditório Central da Unisc, acabaram preenchendo o ambiente de uma forma única, mantendo a perfeita simetria na interação com a plateia. O espetáculo iniciou com o Maestro Plestkaya dizendo que o show era em homenagem “aos artistas santa-cruzenses” e logo de início já executaram uma música. Os recursos cênicos são garantidos pela ficção construída em torno dos dois personagens, que vindos de um país imaginário chamado Sbórnia (Sbórnia do Sul, para ser mais exato), executaram, ao longo de uma hora e meia de espetáculo, músicas do folclore sborniano, canções brasileiras e sucessos da música internacional. O espetáculo é interativo e se torna universal, pelo seu despojamento e por tratar com humor os grandes temas da vida, como o amor impossível, a dor-de-cotovelo e outras tragédias do ser humano. O show, que através do seu maestro tocando acordeom, contando histórias trágicas cheio de amores frustrados e desilusões, acompanhado do violinista errante, reverencial e humilde com imensa paixão pela música, teve os ingredientes perfeitos de uma ótima noite, que o público santa-cruzense aplaudiu de pé.
Quem perdeu esta noite incrível, pode ficar tranquilo. Dada a aprovação do público, certamente não será a última vez deles por aqui. Ficaremos aguardando novos espetáculos, para aprendermos mais sobre o folclore sborniano e suas peculiaridades, aqui na terra da Oktoberfest.

Rolf Steinhaus

Público lotou o Auditório Central da Unisc para acompanhar o espetáculo Tangos e Tragédias


Veja Mais Fotos na Galeria: Tangos e Tragédias na Unisc - Fotos Rolf Steinhaus